quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Lingua - Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem

São recursos especiais que o falante ou escritor usa para transmitir sua comunicação com mais intensidade e beleza.
Podemos classificá-las em três grupos:

1) Figuras de palavras (ou tropos)
2) Figuras de construção (ou de sintaxe)
3) Figuras de pensamento
Figuras de palavras

a) Metáfora: É uma espécie de comparação. Consiste em usar uma palavra com sentido diferente do que lhe é próprio.

Ex: Nero era um monstro.
Doces crianças.

b) Metonímia: É o uso de uma palavra por outra na qual existe uma relação através de uma circunstância de causa, efeito, origem, etc.

Ex: Nas horas de folga consultava Herculano. (o autor pela obra)
Tomou uma taça de vinho. (o continente pelo conteúdo)

c) Sinédoque: Consiste em aumentar ou diminuir a significação própria de um vocábulo. É muito parecido com a Metonímia.

Ex: Ele não tinha teto. (= lar, casa)

d) Catacrese: É o uso de um termo figurado pela falta de palavra própria. É uma espécie de Sinédoque.

Ex: Os pés da cadeira.
A boca do forno.

e) Perífrase: É uma palavra ou expressão que designa os seres por algum de seus predicados, atributos.

Ex: O príncipe dos poetas. (Olavo Bilac)
Cidade Sorriso. (Porto Alegre)
O Rio da Unidade Nacional. (São Francisco)

Figuras de Construção:

a) Elipse: É quando um dos termos da oração está omisso, mas facilmente podemos identificá-lo.

Ex: Fomos ao cinema ontem. (elipse do sujeito nós)
Os homens fazem as leis, as mulheres os costumes. (elipse do verbo fazer)

b) Pleonasmo: É o emprego de palavras redundantes para reforçar a expressão.

Ex: Vi claramente visto.
Desci para baixo.

c) Polissíndeto: É a repetição do conetivo intencionalmente.

Ex: Corre, e brinca, e canta alegremente.

Anacoluto: É a interrupção do fio da frase, ficando termos sintaticamente desligados do resto do período.

Ex: “Eu não me importa a desonra do mundo.” (Camilo)

d) Onomatopéia: São palavras que imitam o som ou a voz dos seres.

Ex: “Tíbios flautins finíssimos gritavam.” (Olavo Bilac)

e) Inversão: Consiste em alterar a ordem natural dos termos da oração.

Ex: “Vamos dormir dos astros sob o manto.” (Salvador Mendonça)

f) Reticência: Consiste em interromper o pensamento.

Ex: Jovens todos vocês são... são... não sei se devo dizer.

g) Silepse: É a concordância que fazemos não com os termos expressos mas sim com a ideia que eles associam em nossa mente.

1 – Silepse de gênero:

Ex: Vossa Majestade será notificado de tudo. (a palavra destacada concorda com o sexo da pessoa e não com a palavra Majestade).

2 – Silepse de número:

Ex: Corria gente de todos os lados, e gritavam. (Mário Barreto)
(O sujeito, gente, não concordou com o verbo, pois o verbo concorda com a ideia de mais de uma pessoa).

3 – Silepse de pessoa:

Ex: Dizem que os gaúchos somos exigentes. (há inclusão do autor da frase entre os gaúchos, por este motivo o verbo está na 1ª pessoa do plural e não na 3ª pessoa).

Figuras de pensamento

a) Eufemismo: É o abrandamento de expressões molestas.

Ex: Sofria do Mal do Século. (tuberculose)
O malandro abotoou o paletó. (morreu)

b) Hipérbole: É uma afirmação exagerada.

Ex: Chorou rios de lágrimas.
Decorou dez mil versos.

c) Antítese: É a aproximação de palavras de sentido contrário.

Ex: O ódio e o amor são duas virtudes.
Enquanto uns nascem outros morrem de fome.

d) Ironia: É quando dizemos o contrário do que estamos pensando.

Ex: Fizeste um ótimo trabalho! (para não dizer péssimo)

e) Apóstrofe: É a interrupção que faz o escritor ou orador, dirigindo-se a pessoas ou coisas ausentes ou presentes.

Ex: Naquele tempo, como dizia Jesus Cristo, todos somos irmãos...


f) Prosopopeia ou Personificação: É quando emprestamos vida aos seres inanimados, agindo desta forma como se fossem pessoas humanas.

Ex: Lá fora no jardim a flor que o luar acaricia.
Gemia a flor branca de terror.

Nenhum comentário: