segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Língua - Emprego dos pronomes: Este, esse,isto,isso, esse,essa, isso.

O pronome demonstrativo "Este", assim com as suas flexões ( estes,esta,estas,isto) indicam:

Algo que está próximo da pessoa que está falando:
Ex.: Este caderno é do Paulo. Esta caneta é minha.

O lugar em que se encontra a pessoa que está falando:
Ex.: Este quarto é grande. Esta casa é bela.

Tempo presente:
Ex.: Nesta semana entro em férias. Neste ano o Natal será Domingo.

Algo que será mencionado:
Ex.: Siga estas intruções para montar a aeronave: cole as peças.

Os pronomes "Esse" e suas flexões ( esses,esa,essas,isso) indicam:

Algo que está próximo da pessoa que está ouvindo:
Ex.: Onde você comprou essa blusa? Esse tênis é bonito.

O lugar em que se encontra a pessoa que está ouvindo:
Ex.: Essa cidade é muito bonita.

Tempo (passado ou futuro):
Ex.: Um dia escreverei um livro, nesse estarão minhas aventuras.
O campeão brasilerio de 1981 foi o Grêmio. O certame desse ano foi muito disputado.

Algo que já foi mencionado:
Ex.: O governo brasileiro adotou medida econômicas, essas medidas ajudarão no futuro da economia.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Língua - Senão ou se não, tampouco, tão pouco

Senão ou se não:

Frequentemente vemos grafias incorretas nesses dois casos, utilizamos SENÃO quando possui o significado de "caso contrário, exceto, a não ser, de outro modo".

Ex.: Estude para o teste,senão será reprovado.
Reflita sobre seu voto,senão aguente as consequências.



Utilizamos SE NÃO quando expressa " caso não ", orações condicionais ( expressam uma condição).

Ex.: Se não houver atraso chegaremos dentro do horário estipulado. ( denota uma condição).




Tampouco ou tão pouco:

Usa-se tampouco quando reforça uma negação:

Ex.: Não trabalhou, tampouco recebeu seu salário.
Não compareceu ao encontro, tampouco justificou sua ausência.


Na expressão tão pouco o tão reforça o sentido de pouco ( muito pouco):

Ex.: Com tão pouco dinheiro seria difícil a viagem.
Tinha tão pouco tempo para chegar na hora marcada ao encontro.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Exercitando - Interpretação de texto.

Muitas vezes achamos que uma interpretação textual é pessoal,mas isso é uma inverdade, pois o processo de interpretação de texto advém de algumas técnicas. Ao menos que uma questão peça a sua opinião ( assim,pessoal), deve-se identificar o tema central ( assunto principal do texto) e após verificar três enfoques no mínimo sobre tal. Após identificar o tema e no mínimo três argumentações do autor basta rolarmos o desenvolvimento: o autor escreve sobre certo tema e tem as seguintes opiniões...teste abaixo como está a sua intenção interpretativa.


Obs.: as questões em negrito identificam as respostas corretas sobre o texto.






Banho de mar é energizante?


Embora não existam comprovações científicas, muitos especialistas acreditam que os banhos de mar tragam benefícios à saúde. “A água marinha, composta por mais de 80 elementos químicos, alivia principalmente as tensões musculares, graças à presença de sódio em sua composição, por isso pode ser considerada energizante”, afirma a terapeuta Magnólia Prado de Araújo, da Clínica Kyron Advanced Medical Center, de São Paulo. “Além disso, as ondas do mar fazem uma massagem no corpo que estimula a circulação sanguínea periférica e isso provoca aumento da oxigenação das células”, diz Magnólia. Existe até um tratamento, chamado talassoterapia (do grego thalasso, que significa mar), surgido em meados do século 9 na Grécia, que usa a água do mar como seu principal ingrediente. Graças à presença de cálcio, zinco, silício e magnésio, a água do mar é usada para tratar doenças como artrite, osteoporose e reumatismo. Já o sal marinho, rico em cloreto de sódio, potássio e magnésio, tem propriedades cicatrizantes e anti-sépticas. Todo esse conhecimento, no entanto, carece de embasamento científico. “Não conheço nenhum trabalho que trate desse tema com seriedade, mas intuitivamente creio que o banho de mar gera uma sensação de melhora e bem-estar”, diz a química Rosalinda Montoni, do Instituto Oceanográfico da USP.


Revista Vida Simples, ed. 16, maio de 2004, p. 19.



1) Qual das afirmações a seguir pode ser depreendida do texto acima?


a)As propriedades cicatrizantes do sal marinho fazem do banho de mar um remédio eficaz na cura de infecções.


b)Embora o banho de mar proporcione bem-estar, não há certeza de que ele tenha propriedades curativas.


c)Para incluir o banho de mar em um tratamento, é necessário que antes se comprovem cientificamente suas propriedades medicinais.


d)A talassoterapia usa o banho de mar no tratamento de diversos problemas de saúde.


e)As propriedades terapêuticas atribuídas ao banho de mar são fruto de crendice, uma vez que não foram comprovadas cientificamente.



2) Qual é a idéia central do texto acima?




a)Os depoimentos científicos sobre as propriedades terapêuticas do banho de mar são contraditórios.


b)Molhar-se com água salgada é energizante, mas há necessidade de cuidados com infecções.


c)O banho de mar tem uma série de propriedades terapêuticas, que não têm comprovação científica.


d)Os trabalhos científicos sobre as propriedades medicinais do banho de mar têm publicações respeitadas no meio científico.


e)A água do mar é composta por vários elementos químicos e bactérias que atuam no sistema nervoso.



3) Qual das sentenças abaixo reproduz adequadamente uma relação entre ideias presente no texto?



a)Muitos especialistas acreditam que o banho de mar traga benefícios à saúde, visto que não existem comprovações científicas.


b) A água do mar pode ser considerada energizante apesar de ser composta por mais de 80 elementos químicos.


c)A massagem feita pelas ondas do mar provoca aumento da oxigenação das células através da estimulação da circulação sanguínea.


d)A água do mar apresenta cálcio, zinco, silício e magnésio em sua composição, no entanto ela é usada para tratar doenças como artrite, osteoporose e reumatismo.


e)A água do mar alivia as tensões musculares, estimula a circulação sanguínea e tem propriedades cicatrizantes e anti-sépticas. Além disso ela carece de embasamento científico.




domingo, 27 de novembro de 2011

Língua - Tipologia Textual

Na Língua Portuguesa há vários tipos de textos, podemos classificá-los de acordo com a intenção comunicativa, ou seja, observando o alvo e o objetivo da comunicação. Os principais tipos de textos são:

Texto Narrativo:

O texto narrativo é aquele que relata um fato que acontece com alguém, em algum lugar, num determinado espaço de tempo. Podemos citar como principais elementos desse tipo de texto:

Fato: código do texto,tema desenvolvido, o acontecimento;
Personagem: O fato acontece com alguém ou com algum objeto;
Espaço: o fato acontece em algum determinado lugar;
Tempo: quando ocorreu tal fato.
Narrador: quem relata, pode ser em primeira pessoa ( o narrador participa) ou terceira pessoa ( aconteceu com ele,ela).

Texto Argumentativo:

O texto argumentativo visa persuadir o leitor sobre o ponto de vista tratado em seu desenvolvimento. Consideramos sua estrutura:

Introdução:

Apresentação do assunto a ser tratado,sem maior aprofundamento.

Desenvolvimento:

Nesse espaço há a reflexão argumentativa, são discutidos pontos e ligados ao que tornará possível uma conclusão.

Conclusão:

Nesse ponto o autor desencadeia uma posição final sobre o tema textual elencando os motivos que o levaram a tal.

Texto Explicativo:

São os textos que passam algum conhecimento específico, não podemos confundir com o argumentativo, pois o argumentativo visa persuadir o leitor, enquanto o explicativo passa algo já conceituado.

Texto Descritivo:

Texto que descreve uma cena,um ser. Esse tipo de texto tende a ser detalhado. Podemos classificá-lo como:

Objetivo: quando a descrição é de uma imagem, um ambiente real.
Subjetivo: quando revela intenção descritiva baseada em uma opinião. Por exemplo: ocorre quando descrevemos o modo de agir de alguém, isso estás baseado em nossa opinião.



domingo, 16 de outubro de 2011

Literatura de Cordel e Literatura Oral












Definição e sua origem:


Literatura de cordel, o que é? surgiu em Portugal, recebeu esse nome ,pois as publicações eram escritas em folhetins, algumas vezes com desenhos e expostas penduradas em cordões para venda nas ruas ou mesmo em lojas


Chegada ao Brasil


A literatura de cordel chegou ao Brasil no século XVIII, através dos portugueses. Aos poucos, foi se tornando cada vez mais popular. Nos dias de hoje, podemos encontrar este tipo de literatura, principalmente na região Nordeste do Brasil. Ainda são vendidos em lonas ou malas estendidas em feiras populares.

De custo baixo, geralmente estes pequenos livros são vendidos pelos próprios autores. Fazem grande sucesso em estados como Pernambuco, Ceará, Alagoas, Paraíba e Bahia. Este sucesso ocorre em função do preço baixo, do tom humorístico de muitos deles e também por retratarem fatos da vida cotidiana da cidade ou da região. Os principais assuntos retratados nos livretos são: festas, política, secas, disputas, brigas, milagres, vida dos
cangaceiros, atos de heroísmo, milagres, morte de personalidades etc.

Em algumas situações, estes poemas são acompanhados de violas e recitados em praças com a presença do público


Um dos poetas da literatura de cordel que fez mais sucesso até hoje foi Leandro Gomes de Barros (1865-1918). Acredita-se que ele tenha escrito mais de mil folhetos. Mais recentes, podemos citar os poetas José Alves Sobrinho, Homero do Rego Barros, Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva), Téo Azevedo. Zé Melancia, Zé Vicente, José Pacheco da Rosa, Gonçalo Ferreira da Silva, Chico Traíra, João de Cristo Rei e Ignácio da Catingueira.

Vários escritores nordestinos foram influenciados pela literatura de cordel. Dentre eles podemos citar: João Cabral de Melo, Ariano Suassuna,
José Lins do Rego e Guimarães Rosa





Literatura Oral


Faz parte da literatura oral os mitos, lendas, contos e provérbios que são transmitidos oralmente de geração para geração. Geralmente, não se conhece os autores reais deste tipo de literatura e, acredita-se, que muitas destas estórias são modificadas com o passar do tempo. Muitas vezes, encontramos o mesmo conto ou lenda com características diferentes em regiões diferentes do Brasil. A literatura oral é considerada uma importante fonte de memória popular e revela o imaginário do tempo e espaço onde foi criada.

Muitos historiadores e antropólogos estudam este tipo de literatura com o objetivo de buscarem informações preciosas sobre a cultura e a história de uma época. Em meio a ficção, resgata-se dados sobre vestimentas, crenças, comportamentos, objetos, linguagem, arquitetura etc.

Podemos considerar como sendo literatura oral os cantos, encenações e textos populares que são representados nos
folguedos.

Exemplos de mitos, lendas e folclore brasileiro: saci-pererê, curupira, boto cor de rosa, caipora, Iara, boitatá,
lobisomem, mula-sem-cabeça, negrinho do pastoreio.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Língua - Algumas diferenças entre o Português brasileiro e luso.



























Algumas curiosidades: termos do português brasileiro e luso. Isso o acordo ortográfico não resolve,heheeh...são muitos os termos diferentes em relação ao Português utilizado no Brasil e o de Portugal.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Ortografia - carnaval se escreve sempre com inicial minúscula.




Todos os anos vejo em muitas publicações a palavra "carnaval" escrita com inicial maiúscula, isso está errado, pois há uma regra na Língua Portuguesa que preconiza: festas pagãs devem ser escritas com inicial minúscula, portanto, como carnaval é uma festa pagã vale essa regra.




O carnaval teve início há aproximadamente três mil e quinhentos anos, na Grécia, como uma homenagem ao deus Dionísio ( Baco), deus mitológico do vinho e das festas. Era representado por uma figura humana com chifres e pés de bode, a festa perdurava por três dias e encerrava meio a uma orgia pansexualista.




Na velha Roma surgiram as "saturnais", equivalia à festa grega: escravos, plebeus e pessoas da sociedade se deixavam levar pelos prazeres carnais. Mais tarde, surgiu o nome carnaval na Língua Portuguesa, derivado do italiano carnevale ( festa da carne), significa deixar a carne,referindo-se à abstinência quaresmal. Então, não esqueça: escreve-se sempre carnaval, com inicial minúscula.




terça-feira, 2 de agosto de 2011

Língua - Ortografia, curiosidades.

Aqui vão algumas curiosidades quanto a alguns termos de nossa Língua.

A bola não pica ! A bola quica !

PICAR é furar algo com uma ponta.Bola não tem ponta, ela QUICA ( termo originado pelo som que faz ao bater no chão).

Gorjeta é com "J" porque vem de Gorja. Gorja significa garganta.
Antigamente se gratificava alguém por um serviço prestado com uma pequena quantidade de bebida, apenas para se molhar a garganta, daí a relação entre o termo e seu uso.

Maquilagem / Maquiagem / Maquiage.

Originalmente a palavra francesa Maquillage foi aportuguesada com a grafia Maquilagem. Com o tempo, também passamos a aceitar Maquiagem, portanto, a forma maquiage é errada.

Água salobra e não saloba.

Do latim salubrum, adjetivo derivado de sal, que tem gosto de sal, salobro.

Geada não cai.

A neve cai, a Geada é a umidade da atmosfera contida nas árvores, na grama,telhados das casas,etc. a qual se condensa, portanto não devemos dizer caiu geada,mas sim geou.

domingo, 31 de julho de 2011

Língua - Exercícios - uso de termos - MAL, MAU,ONDE,AONDE,EM VEZ DE ,AO INVÉS DE.

É normal em nossa língua haver confusão pelos usuários quanto a alguns detalhes na hora da escrita de algum termo, analisaremos em seguida alguns desses casos.

Mal / Mau:

Mal: Usamos mal com L sempre que o contrário, ou seja, o antônimo seja bem.

Mal = Bem.
Ex.: Mal chegou e foi logo sentando à mesa.

O contrário seria: Bem chegou e foi logo sentando à mesa.

Considerou o texto Mal interpretado pelo aluno.

Contrário: Considerou o texto bem interpretado pelo aluno.

Mau: Utilizamos essa forma sempre que o contrário for Bom.

Mau = Bom.

Ex.: O desempenho da equipe foi considerado mau devido ao tempo de treinamento.

O lobo mau não alcança seu objetivo quanto à caça a chapeuzinho vermelho.

Onde / Aonde:

Onde: Utilizamos Onde sempre que referir o lugar físico, ou seja, endereço, localidade ou espaço real.

Ex.: Onde tu moras?

Estacionei meu carro onde restava uma vaga.

Onde pensas que vai?

Aonde: Essa grafia deve ser usada quando significa espaço não físico ou real.

Ex.: Aonde queres chegar com essa atitude?

Não sei aonde os políticos estão com a cabeça em nosso país.

Meu coração está aonde tu estás.



Em vez de / Ao invés de:


Em vez de: Essa expressão pode ser usada para designar qualquer comparação, mesmo em posições não contrárias.

Ex.: Em vez de ir ao cinema fui ao jogo da escola.

Estude em vez de assistir televisão o tempo todo.

Note que as posições não são totalmente contrárias, apenas definem opções.

Ao invés de: Essa expressão só pode ser usada em casos de opções totalmente antagônicas, isto é, contrárias: sair, entrar, dormir, acordar, etc.

Ex.: Ao invés de dormir fiquei acordado até tarde para estudar para a prova.

Saí ao invés de ficar em casa descansando.

Exercícios:

A) Complete com MAL ou MAU :

1) Estava __________humorado.

2) Fugiu do lobo__________.

3) __________traçadas linhas.

4) __________educada.

5) A luta do bem contra o _________.

Complete com Aonde / Onde:

______tu fostes após à aula?

Espero que chegues _______pretende com essa atitude.

__________fica a sua casa?

Em pensamentos fui_________ninguém mais esteve.

Complete com Ao invés de / Em vez de:

____________de chegar cedo cheguei tarde em casa.

Fui ao supermercado_____________ir ao bar.


Respostas amanhã.


Respostas :

A)
Mal;
Mau;
Mal;
Mal;
Mal.

B)
Onde;
Aonde;
Onde;
Aonde.

C)
Ao invés de;
Em vez de.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

25 de Julho - Dia do Escritor.

Parabéns a todos os escritores,sejam profissionais ou amadores,
Aqueles que através das palavras escritas trazem louvores...
Muitas vezes,passam desconhecidos,porém todos merecem ser lidos.
Horas a fio passam na solidão de suas palavras;
Que por vezes lhe parecem ingratas
...Mostram mensagens e às vezes solução...
Com seu papel,caneta,pc à mão.
E veem que o mundo ainda tem emoção....

domingo, 24 de julho de 2011

Dica - Leitura para ouvir - AUDIOBOOK

Hoje em dia, muitas pessoas utilizam a "desculpa" da "falta de tempo" para a leitura. Surge,então, uma ótima alternativa para esses: o AUDIOBOOK, tu podes sair pela rua ouvindo um livro,isso mesmo: "OUVINDO". O audiobook pode ser colocado em qualquer aparelho de mp3 ou gravado em um cd, pode ser ouvido em seu computador,enfim, há uma gama de facilidades ... é possível ouvir o livro enquanto estamos relaxando em casa. Ouvi o livro O CORTIÇO (Aluísio de Azevedo) e achei muito bom,pois até mesmo os sons foram reproduzidos,estilo às antigas telenovelas,hehehe...certamente é uma boa pedida.

Abaixo o linck de um site muito bom, fica a dica.

http://www.download-audiobook.com

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Língua Portuguesa - Morfologia e Morfossintaxe

Estrutura das palavras

As palavras podem ser divididas em vários segmentos, cada um deles amplia a significação das palavras.
Esses segmentos são chamados de morfemas.

Morfemas

a) radical: parte da palavra que é a base do significado, identifica o que chamamos de família, pois as palavras que a compõem são iguais.

b) desinências: parte da palavra que é acrescentada ao radical para destacar as flexões gramaticais.
Elas são:

Nominais - indicam o gênero e o número dos nomes.

Verbais - indicam , nos verbos, tempo e modo (desinências modo-temporais), a pessoa e o número (desinências número-pessoais).

c) afixos: elementos que são colocados junto ao radical para formar palavras novas.
São eles:

Prefixos - colocados antes do radical

Sufixos - colocados depois do radical

d) vogal temática - é a vogal que, em alguns casos, prepara o radical para receber a desinência.

cant a va
ven de ra
part i sse

Note bem: no caso dos verbos a vogal temática indica a conjugação.

Quando temos o radical já unido à vogal temática obtemos o que chamamos de tema, do que podemos afirmar que tema é o radical pronto para receber as desinências.

e) vogais e consoantes de ligação - servem apenas para facilitar a pronúncia, não têm significado.
Ex.: pau - l - ada

Formação das palavras

Antes de estudarmos a formação das palavras, devemos nos lembrar que há, em português:

Palavras primitivas - são aquelas que dão origem a outras.
Palavras derivadas - são aquelas que têm sua origem em outras palavras.
Palavras simples - são aquelas que têm um só radical.
Palavras compostas - têm mais de um radical, provêm da união de duas ou mais outras palavras.
Processos de formação de palavras

a) Composição - ocorre quando juntamos dois ou mais radicais para formar uma nova palavra e pode ser dividida em dois tipos:

Justaposição - não existe alteração na pronúncia das palavras, como se apenas as encostássemos.

Ex.: beija-flor

Aglutinação - ocorre alteração na pronúncia ao juntarmos os radicais.

Ex.: vinagre (vinho + agre)

b) Derivação - a nova palavra é formada pelo acréscimo de prefixo ou sufixo, ou de ambos a ela.

Prefixal - acontece com o acréscimo de um prefixo ao radical.
Ex.: In - feliz

Sufixal - acontece com o acréscimo de um sufixo ao radical.
Ex.: feliz - mente

Parassintética - acontece com o acréscimo de prefixo e sufixo ao mesmo tempo e ocorrem frequentemente em verbos. Uma condição básica para que haja uma derivação por parassíntese é que a palavra não tenha sentido sem o prefixo ou sufixo que foram anexados.
Ex.: en - triste - cer


c) Hibridismo - forma-se a nova palavra com elementos procedentes de outros idiomas.

Ex.: automóvel (auto: grego; móvel: latim)

d) Onomatopéia - palavra que reproduz sons ou ruídos, normalmente são formadas por repetição de sons.

Ex.: zunzum, tique-taque, pingue-pongue

e) Abreviação - redução da palavra até o limite que permita a compreensão. As siglas são consideradas abreviações.
Ex.: moto (motocicleta) - LBV (Legião da Boa Vontade)

domingo, 10 de julho de 2011

Literatura - Movimentos Literários (Resumo)

Abaixo uma síntese dos movimentos literários:

Quinhentismo (século XVI)
Representa a fase inicial da literatura brasileira, pois ocorreu no começo da colonização. Representante da Literatura Jesuíta ou de Catequese, destaca-se Padre José de Anchieta com seus poemas, autos, sermões cartas e hinos. O objetivo principal deste padre jesuíta, com sua produção literária, era catequizar os índios brasileiros. Nesta época, destaca-se ainda Pero Vaz de Caminha, o escrivão da frota de Pedro Álvares Cabral. Através de suas cartas e seu diário, elaborou uma literatura de Informação ( de viagem ) sobre o Brasil. O objetivo de Caminha era informar o rei de Portugal sobre as características geográficas, vegetais e sociais da nova terra.

Barroco ( século XVII )
Essa época foi marcada pelas oposições e pelos conflitos espirituais. Esse contexto histórico acabou influenciando na produção literária, gerando o fenômeno do barroco. As obras são marcadas pela angústia e pela oposição entre o mundo material e o espiritual. Metáforas, antíteses e hipérboles são as figuras de linguagem mais usadas neste período. Podemos citar como principais representantes desta época: Bento Teixeira, autor de Prosopopéia; Gregório de Matos Guerra ( Boca do Inferno ), autor de várias poesias críticas e satíricas; e padre Antônio Vieira, autor de Sermão de Santo Antônio ou dos Peixes.


Neoclassicismo ou Arcadismo ( século XVIII )
O século XVIII é marcado pela ascensão da burguesia e de seus valores. Esse fato influenciou na produção da obras desta época. Enquanto as preocupações e conflitos do barroco são deixados de lado, entra em cena o objetivismo e a razão. A linguagem complexa é trocada por uma linguagem mais fácil. Os ideais de vida no campo são retomados ( fugere urbem = fuga das cidades ) e a vida bucólica passa a ser valorizada, assim como a idealização da natureza e da mulher amada. As principais obras desta época são: Obra Poética de Cláudio Manoel da Costa, O Uraguai de Basílio da Gama, Cartas Chilenas e Marília de Dirceu de Tomás Antonio Gonzaga, Caramuru de Frei José de Santa Rita Durão.


Romantismo ( século XIX )
A modernização ocorrida no Brasil, com a chegada da família real portuguesa em 1808, e a Independência do Brasil em 1822 são dois fatos históricos que influenciaram na literatura do período. Como características principais do romantismo, podemos citar : individualismo, nacionalismo, retomada dos fatos históricos importantes, idealização da mulher, espírito criativo e sonhador, valorização da liberdade e o uso de metáforas. As principais obras românticas que podemos citar : O Guarani de José de Alencar, Suspiros Poéticos e Saudades de Gonçalves de Magalhães, Espumas Flutuantes de Castro Alves, Primeiros Cantos de Gonçalves Dias. Outros importantes escritores e poetas do período: Casimiro de Abreu, Álvares de Azevedo, Junqueira Freire e Teixeira e Souza.

Realismo - Naturalismo ( segunda metade do século XIX )
Na segunda metade do século XIX, a literatura romântica entrou em declínio, juntos com seus ideais. Os escritores e poetas realistas começam a falar da realidade social e dos principais problemas e conflitos do ser humano. Como características desta fase, podemos citar : objetivismo, linguagem popular, trama psicológica, valorização de personagens inspirados na realidade, uso de cenas cotidianas, crítica social, visão irônica da realidade. O principal representante desta fase foi Machado de Assis com as obras : Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, Dom Casmurro e O Alienista. Podemos citar ainda como escritores realistas Aluisio de Azedo autor de O Mulato e O Cortiço e Raul Pompéia autor de O Ateneu.

Parnasianismo ( final do século XIX e início do século XX )
O parnasianismo buscou os temas clássicos, valorizando o rigor formal e a poesia descritiva. Os autores parnasianos usavam uma linguagem rebuscada, vocabulário culto, temas mitológicos e descrições detalhadas. Diziam que faziam a arte pela arte. Graças a esta postura foram chamados de criadores de uma literatura alienada, pois não retratavam os problemas sociais que ocorriam naquela época. Os principais autores parnasianos são: Olavo Bilac, Raimundo Correa, Alberto de Oliveira e Vicente de Carvalho.


Simbolismo ( fins do século XIX )
Esta fase literária inicia-se com a publicação de Missal e Broquéis de João da Cruz e Souza. Os poetas simbolistas usavam uma linguagem abstrata e sugestiva, enchendo suas obras de misticismo e religiosidade. Valorizavam muito os mistérios da morte e dos sonhos, carregando os textos de subjetivismo. Os principais representantes do simbolismo foram: Cruz e Souza e Alphonsus de Guimaraens.

Pré-Modernismo ( 1902 até 1922 )
Este período é marcado pela transição, pois o modernismo só começou em 1922 com a Semana de Arte Moderna. Está época é marcada pelo regionalismo, positivismo, busca dos valores tradicionais, linguagem coloquial e valorização dos problemas sociais. Os principais autores deste período são: Euclides da Cunha (autor de Os Sertões), Monteiro Lobato, Lima Barreto, autor de Triste Fim de Policarpo Quaresma e Augusto dos Anjos.

Modernismo ( 1922 a 1930 )
Este período começa com a Semana de Arte Moderna de 1922. As principais características da literatura modernista são : nacionalismo, temas do cotidiano (urbanos) , linguagem com humor, liberdade no uso de palavras e textos diretos. Principais escritores modernistas : Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Cassiano Ricardo, Alcântara Machado e Manuel Bandeira.

Neo-Realismo ( 1930 a 1945 )
Fase da literatura brasileira na qual os escritores retomam as críticas e as denúncias aos grandes problemas sociais do Brasil. Os assuntos místicos, religiosos e urbanos também são retomados. Destacam-se as seguintes obras : Vidas Secas de Graciliano Ramos, Fogo Morto de José Lins do Rego, O Quinze de Raquel de Queiróz e O País do Carnaval de Jorge Amado. Os principais poetas desta época são: Vinícius de Moraes, Carlos Drummond de Andrade e Cecilia Meireles.


sábado, 18 de junho de 2011

Literatura - Curiosidades sobre alguns escritores:

Após pesquisar encontrei diversas curiosidades sobre alguns estranhos costumes dos escritores:


Euclides da Cunha: Engenheiro, o escritor construiu uma ponte que demorou três anos para ficar pronta, alguns meses depois a ponte simplesmente ruiu, Euclides a construiu novamente, mas por via das dúvidas abandonou a carreira ligada à engenheraria,hehehe...como engenheiro era um ótimo escritor;


Machado de Assis: um dos maiores escritores da Literatura brasileira, Machado ultrapassou tanto as barreiras físicas como sociais: o autor era míope, gago e epilético. Ao escrever um de seus romances mais famosos, Memórias Póstumas de Brás Cubas, sofreu uma forte crise intestinal,afetando sua visão, então ditou a maior parte do livro a sua esposa Carolina;

Graciliano Ramos: era teu convicto,mas mantinha uma Bíblia em sua cabeceira a fim de estudar a retórica dos textos bíblicos;

Aluísio de Azevedo: antes de escrever suas obras desenhava os personagens em papelão e os mantinha em sua mesa ao escrever;

José Lins do Rego:era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano, em 1953;

Gilberto Freyre:nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas;

Carlos Drummond de Andrade:foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou. Tinha a mania de picotar papel e tecidos. "Se não fizer isso, saio matando gente pela rua". Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto. "Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado. Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha.";

Érico Veríssimo:era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final;

Clarice Lispector: insônia. Ligava para os amigos e dizia coisas pertubadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida;

Monteiro Lobato:adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor. Também tinha mania de consertar tudo. "Mas para arrumar uma coisa, sempre quebrava outra.";

Manuel Bandeira:sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?" Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos;

Fernando Sabino:foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo costas;

Guimarães Rosa:médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim, galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou abandonando a profissão. "Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver sangue", conta Agnes, a filha mais nova.

Mário de Andrade:provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual;

Vinicius de Moraes:casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para aguentar o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água para ter sensação refrescante na boca;

José Lins do Rego:foi o primeiro a quebrar as regras na ABL, em 1955. Em vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.

Castro Alves:morreu com apenas 24 anos, nasceu em 1847 vindo a falecer em 1871.

J.K Roling (Escritora de Harry Potter):começou a escrever seu primeiro livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, em guardanapos em um bar que frequentava, e ao terminar o livro ficou com uma terrível dúvida: escolher se comprar leite para sua filha ou mandava seu livro pra editora, hoje elá é milionaria !

Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer, encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então;

Goethe:escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta;

Pedro Nova:parafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém o tirasse do lugar;




quinta-feira, 16 de junho de 2011

Aulas Particulares:




Aulas particulares de Língua Portuguesa e Literatura:


Revisão textual;

Concursos;

Ensino Médio;

Ensino Fundamental;

Universitário;

Correções de monografias;

Correções de Livros;

Oficinas de Redação.

Fone:(51) 9308-0829.

E-mail: val_821@hotmail.com

Com Vallim.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Língua - Anagrama.


Um anagrama consiste em reformulação das letras em uma palavra ou frase, Ex.:Avon,Nova, Amor,Roma, Célia, Alice, Pedro,Poder,etc. Muitos escritores utilizam anagramas a fim de criar um pseudônimo, José de Alencar utilizou esse artifício ao nominar sua personagem IRACEMA, anagrama de AMÉRICA, em seu romance indianista.

Um bom anagrama deve ter o seu significado relacionado de alguma forma com a palavra original, algumas vezes com efeito satírico ofensivo. Os nomes Alice e Belisa , por exemplo, nasceram da recombinação das letras de Célia e Isabel , respectivamente. Seria um jogo de maledicência apontar que Axl Rose é o anagrama de oral sex e argentino é o anagrama de ignorante, até por razões claras, o povo argentino é extremamente culto, hehehe...

domingo, 29 de maio de 2011

Língua - A maior palavra da Língua Portuguesa.


Responda: Qual a maior palavra da Língua Portuguesa ?




Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico




A palavra possui 46 letras, nome dado ao portador da doença Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose, uma doença rara causada pela aspiração de microscópicas partículas de cinzas vulcânicas. Memorize e diga a seus amigos, mas não vai ser fácil,hehehe.







A palavra com o maior número de vogais juntas é:







Piauiense.

sábado, 28 de maio de 2011

Língua - Vícios de Linguagem, parte II. Solecismo,Cacofonia, Ambiguidade e Redundância.


SOLECISMO: Caracteriza-se por um erro ou desvio na sintaxe.

Exemplo: “Houveram eleições para representante de turma.”

O certo é “Houve….não há plural” (erro de concordância)

- Assisti esse filme no cinema.

O certo é “Assisti a esse…..” assistir sem preposição vira auxiliar. Ex.: O menino assistiu sua mãe.(erro de regência)

CACOFONIA: Som desagradável ou obsceno transformado pela posição das letras.

- Hilca ganhou um prêmio.
- A boca dela está sangrando.

AMBIGUIDADE: Duplo sentido.

- O cachorro do seu irmão avançou na minha amiga. (cachorro pode ser o animal (cão), ou uma qualidade (vagabundo, assanhado) para irmão

REDUNDÂNCIA : é a repetição de ideias.

- Maria subiu lá em cima para ver o balão.
- José inventou novos brinquedos para o filho.

OBS: Não há redundância em “intrometer-se no meio” e “voltar-se para trás”.

Uma pessoa pode intrometer-se no início, meio ou fim de uma conversa, assim como alguém pode voltar-se para o lado.

sábado, 21 de maio de 2011

Língua Portuguesa - Vícios de Línguagem - Barbarismo.

Vícios de Línguagem são erros ou desvios cometidos contra a gramática , os principais são: Barbarismo, solecismo, cacofonia, ambigüidade e redundância.

O que significa BARBARISMO ? são desvios na grafia, na pronúncia ou na flexão. Ocorre quando pronunciamos ou grafamos um termo de forma errada, muitos acontecem por aceitação popular,isto é, a grande massa começa a utilizar e o termo acaba sendo usado na forma errada.


- Pograma (em vez de programa)
- brica (em vez de tonificar o – bri -, rubrica)
- Etmologia (em vez de etimologia, com – i -)
- Quando eu pôr o vestido. (o certo seria – Quando eu puser o vestido)
O policial interviu. (O certo seria interveio)

Pobrema em vez de problema, certo Lula? hehehehe...

Observação: quem abusa das palavras estrangeiras grafando-as como na língua original, também comete barbarismo.

Abajur: e não “abat-jur”.
Coquetel: e não “cocktail”.

Muitos barbarismos ou "estrangeirismos" são de uso popular, é normal utilizarmos SITE em vez de saite ou sítio( termos que poderiam ser usados em nossa língua) , LINK em vez de linque, mas a língua se transforma, há anos não se utilizaria Xampu, mas sim Shampoo, assim como o Shopping certamente um dia virará Xópin...

...continua...

terça-feira, 17 de maio de 2011

Língua - Palíndromos


Palíndromo, nome estranho,não?!

Ocorre quando algo é igual lido do final para o início.

Ex.: Socorram-me, subi no ônibus em Marrocos. "Saíram o tio e oito marias."
"Seco de raiva, coloco no colo caviar e doces."

ANOTARAM A DATA DA MARATONA?

Osso, ovo, Réver, Anilina, mutum, Ana, ama, reger,ralar,rir, ele, seres, socos...

( leia de trás para frente).

domingo, 15 de maio de 2011

Língua - Algumas curiosidades de nossa Língua - Parte I.


A Língua Portuguesa possui muitas curiosidades, vejamos algumas:

* A palavra com o maior número de vogais juntas é Piauiense.

* A maior palavra da Língua Portuguesa é:
Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico
A palavra possui 46 letras, nome dado ao portador da doença Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose, uma doença rara causada pela aspiração de microscópicas partículas de cinzas vulcânicas. Memorize e diga a seus amigos, mas não vai ser fácil,hehehe.

*O único termo que apresenta o plural formado na parte interna e não ao final como é o comum é: QUALQUER, QUAISQUER.

* custas ...linguagem jurídica para designar ‘despesas feitas no processo’. Portanto, devemos dizer: ” O filho vive à custa do pai“. No singular.

O certo é a meu ver e não ao meu ver.

A princípio significa inicialmente , antes de mais nada. Ex: A princípio, gostaria de dizer que estou bem. Em princípio quer dizer em tese. Ex: Em princípio, todos concordaram com minha sugestão.

Não esqueça: alface é substantivo feminino. A alface está bem verdinha

Não existe a expressão à medida em que . Ou se usa à medida que correspondente a à proporção que, ou se usa na medida em que equivalente a tendo em vista que.

O certo é alto-falante, e não auto-falante.

O certo é alugam-se casas, e não aluga-se casas. Mas devemos dizer precisa-se de empregados, trata-se de problemas. Observe a presença da preposição (de) após o verbo. É a dica pra não errar. Nota: esta dica precisa ser confirmada.

Depois de ditongo, geralmente se emprega x. Veja: afrouxar, encaixe, feixe, baixa, faixa, frouxo, rouxinol, trouxa, peixe, etc .

Ainda se vê muito, principalmente na entrada das cidades, a expressão bem vindo (sem hífen) e até benvindo. As duas estão erradas. Deve-se escrever bem-vindo, sempre com hífen.

Não existe preço barato ou preço caro. Só existe preço alto ou baixo. O produto, sim, é que pode ser caro ou barato. Veja: Esse televisor é muito caro. O preço desse televisor é alto.

Você não bebe a Champanhe. Bebe o Champanhe. É, portanto, palavra masculina.
A Champanhe é a região , enquanto o Champanhe é o vinho espumante.

Não tenho nada a ver com isso, e não haver com isso.




Personagem é um substantivo de dois gêneros... pode ser usado tanto para mulher como para homem, então as duas formas estão corretas: a personagem, o personagem.
...continua...

sábado, 14 de maio de 2011

Aliteração - Só a Língua Portuguesa ...





Apenas a língua portuguesa nos permite escrever isso...
Aliteração: é uma figura de linguagem em que se utiliza a mesma letra inicial ou a mesma sílaba tônica nos termos que formam um texto.




Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir.
Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas.
Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para Papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, p assou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los.

Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas. Pisando Paris, permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se.

Profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo... Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. Paris! Paris! Proferiu Pedro Paulo.

Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, Papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para Papai Procópio para prosseguir praticando pinturas.

Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, Papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: Pediste permissão para praticar pintura, porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? Papai, proferiu Pedro Paulo, pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal.

Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profi ssão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando.

Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, Papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito.

Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente Pedro Paulo pegava pedras, porém, Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo Pereceu pintando... '
Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar... Para parar preciso pensar. Pensei. Portanto, pronto pararei.

Após esse texto ficasem graça dizer:
'O Rato Roeu a Rica Roupa do Rei de Roma.'




(Autor desconhecido).

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Despedida do TREMA .



Não sei quem escreveu, mas quem assina é o TREMA ... é uma tremenda aula de criatividade e bom humor, com acentuada inteligência.















DESPEDIDA DO TREMA



Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos.
Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!...
O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio... A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. O dois pontos disse que eu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.
Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas?... A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, "Kkk" pra cá, "www" pra lá.
Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo" de medo. Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar!...
Nós nos veremos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história.

Adeus



TREMA

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Língua Portuguesa - TÉCNICAS DE REDAÇÃO















Prof.Vallim.


Hoje em dia torna-se cada vez mais fundamental a arte de uma boa escrita, devido a isso devemos aprimorar nossos fundamentos quanto a elaboração de uma produção textual. Possuir os meios para uma boa escrita é necessário por quê? Atualmente, as redações tem sido empregadas até mesmo em processo de seleção para empregos em diversas áreas, em concursos públicos e nos vestibulares é cada vez mais essencial,onde muitas universidades têm adotado mais peso global na pontuação dos candidatos a cada vestibular.




Estrutura de uma Redação:




Ao elaborarmos uma redação devemos ter os seguintes dados organizados:




Introdução:




Na introdução devemos apresentar o TEMA principal, sem um maior aprofundamento,apenas para introduzir o assunto. O tema divide-se em tema principal e temas secundários. O tema principal é o assunto propriamente dito: assunto principal sobre o qual se disserta no texto; os temas secundários são os tópicos e argumentações que irão fundamentar a estrutura do texto.


A introdução deve ser feita em um parágrafo, mínimo de quatro linhas, apenas iniciando o tema para após fundamentá-lo.


Desenvolvimento


No desenvolvimento deve-se relacionar o tema principal a suas argumentações, de forma a tornar a redação um texto verossímil ( fundamentado em uma realidade) . Deve ser estruturado em ao menos dois parágrafos, sendo colocado o tema com maior aprofundamento a fim de expor o assunto em vários aspectos descritivos.



Conclusão


A conclusão deve ser objetiva,isto é, o posicionamento do redator deve ser transparente,trazendo soluções ou visões sobre o tema discorrido, elaborada em um parágrafo.


Observações estruturais




Devemos empregar sempre a norma culta em um texto redativo, procurando a utilização de sinônimos, antônimos, sem a repetição em demasia de uma palavra durante o texto. A ordem dos períodos deve ser bem empregada dando uma sequência exata no decorrer do assunto, concordância verbal, nominal, regência,pontuação e acentuação são vigentes quanto ao bom emprego durante o texto, sendo de grande importância na nota final de uma redação.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Língua Portuguesa - Verbos - Segunda parte. Formas Rizotônicas, Arrizotônicas e verbos Defectivos

Formas Rizotônicas: Apresentam a sílaba tônica no radical.


AMo, VENDe, CHUTe...



Formas Arrizotônicas: todas as formas que apresentam a sílaba tônica fora do radical.


AMarás, VENDesse, CHUTar...


Alguns verbos apresentam somente as formas arrizotônicas.


Ex.: precaver,reaver.


Verbos Defectivos: São verbos que não possuem uma conjugação completa, não há a primeira pessoa do singular do presente do indicativo (eu),assim como presente do subjuntivo.


Demolir, abolir, banir, colorir, explodir, extorquir, fundir.


Não existem:


Eu "abulo" as horas extras.


É preciso que você "demula" aquele muro.


Como colocar ?


Eu elimino ou estou abolindo.


Que você destrua ou derrube.




Sem Rizotônicas e sem todo o presente do subjuntivo:


Adequar, falir, precaver, ressarcir.


Isso não se ADÉQUA à nossa empresa. Devemos evitar.


Isso não está adequado à nossa empresa. Maneira correta.


OBS.: O dicionário Houaiss já considera o verbo adequar com conjugação completa.


Tomara que o vendedor nos ressarça. Devemos evitar.


Tomara que o vendedor nos indenize. Maneira correta.


Computar: Sem eu,tu e ele no presente do indicativo e sem todo o presente do subjuntivo.


Fale antes que eles computem as perdas. Devemos evitar.


Fale antes que eles calculem as perdas. Maneira correta.



...continua...

terça-feira, 26 de abril de 2011

Língua Portuguesa - Verbos - Primeira parte.

Os verbos são palavras que caracterizam ação,estado, fato ou fenômeno.

Conjugação:
São as variações de um verbo, caracterizam pessoa,número,modo e tempo.

1.Pessoa e número:
O verbo é flexionado a fim de indicar pessoa(masculino,feminino) e número(singular pou plural).

Primeira pessoa: quem fala. Singular: Eu. Plural: nós.
Segunda pessoa: com quem se fala. Singular: tu. Plural: vós.
Terceira pessoa: de quem se fal. Singular: ele,ela. Plural: eles,elas.

2.Modos:
Indicativo: Indica um fato real. Ex.: Douglas joga bem.
Subjuntivo: Expressa hipótese,desejo ou dúvida. Ex.: Talvez Douglas jogue, é preciso que ele jogue.
Imperativo: Caracteriza conselho,pedido ou ordem. Ex.: Jogue, Douglas! Segure minha mão.

3. Formas nominais:
Mostram um fato de maneira impessoal.

Infinitivo: Cantar,pular, sair ,correr.
Gerúndio: cantando, pulando, saindo, correndo.
Particípio: cantado, pulado, elegido,eleito, entregado, entregue.

4. Tempos:
Determinam o momento em que o fato acontece. São três:
Pretérito(passado), presente e futuro.
...continua...

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Minha Pátria é a Língua Portuguesa


Fernando Pessoa


“Do retângulo da Europa passamos para algo totalmente diferente. Agora, Portugal é todo o território de Língua Portuguesa.

Os brasileiros poderão chamar-lhe Brasil e os moçambicanos poderão chamar-lhe Moçambique.

É uma Pátria estendida a todos os homens, aquilo que Fernando Pessoa julgou ser a sua Pátria: a Língua Portuguesa. Agora, é essa a Pátria de todos nós.”

Fonte: http://mil-hafre.blogspot.com/2011/02/19-de-marco-debate-cplp-nos-media-e-na.html


quinta-feira, 21 de abril de 2011

Literatura - Respostas do Quiz.


1 - Machado de Assis;
2 - "Vidas Secas" de Graciliano Ramos;
3 - "Os Sertões" de Euclides da Cunha;
4 - Bernardo Guimarães;
5 - Manuel Bandeira;
6 - Jorge Amado;
7 - "Grande Sertão: Veredas" - João Guimarães Rosa;
8 - Castro Alves;
9 - Segunda Geração Romântic;
10 -Érico Veríssimo;
11 -Zélia Gattai;
12 -"Gregório de Matos" e "Vinícius de Morais";
13 -Fernando Sabino;
14 -Manuel Bandeira;
15 -José de Alencar.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Literatura - Teste seus conhecimentos.




1 - Quem é o autor de "Memórias Póstumas de Brás Cubas"?









2 - A cachorra "Baleia" é personagem do romance:









3 - Escrita no final do século XIX, é dividida em três partes: "A Terra", "O Homem" e "A Luta". Estamos falando da obra:









4 - A obra "Escrava Isaura", que foi várias vezes adaptada para televisão, é de qual autor?









5 - Participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Ao descobrir-se tuberculoso, deixou os estudos e temendo uma morte precoce, dedicou-se a uma extensa obra poética, morreu, porém, aos 82 anos. Trata-se do poeta:









6 - A obra "Capitães da Areia", que retrata a vida dos meninos de rua de Salvador na década de 30, foi escrita por:









7 - "Riobaldo" é o personagem principal de qual obra?









8 - Qual poeta possui o epíteto "O poeta dos Escravos"?









9 - Os poetas brasileiros influenciados por Lord Byron ou "geração do Mal do Século", pertencem a:









10 - O Romance "Olhai os Lírios do Campo" foi escrito por qual autor?









11 - Quem foi a esposa de Jorge Amado?









12 - Quais poetas são, respectivamente, chamados de o "Boca do Inferno" e "O Poetinha"?









13 - Qual é o único escritor abaixo que NÃO está vivo?









14 - O livro "Estrela da Vida Inteira" reúne a obra poética de qual autor?









15 - Quem foi o maior romancista da terceira geração romântica?








Respostas em dois dias.

Postagem mais Recente

Qual das alternativas está errada? por quê?

Postagens mais Visitadas