sábado, 28 de novembro de 2009

Língua - Discurso Direto, Discurso Indireto:

O narrador, para relatar a fala das personagens, pode servir-se de dois recursos:

Discurso direto - o narrador reproduz textualmente as palavras da personagem : Exemplo -
O pai chamou Pedrinho e perguntou:
ex.: Quem quebrou o vidro, meu filho?

Discurso Indireto - o narrador transmite com suas próprias palavras a fala da personagem.
ex.: Quando o pai chegou, perguntou à mulher quem quebrara o vidro. . .

A diferença básica entre discurso direto e indireto é a mudança de emissor. No discurso direto, o emissor é a personagem; no discurso indireto, o emissor é o narrador. A opção por uma dessas formas depende da intencionalidade do narrador e com a expressividade que pretende obter .

Língua - Vozes Verbais:

Voz verbal é a flexão do verbo que indica se o sujeito pratica, ou recebe, ou pratica e recebe a ação verbal.

Voz Ativa
Quando o sujeito é agente, ou seja, pratica a ação verbal ou participa ativamente de um fato.
Ex.
As meninas exigiram a presença da diretora.
A torcida aplaudiu os jogadores.
O médico cometeu um erro terrível.

Voz Passiva
Quando o sujeito é paciente, ou seja, sofre a ação verbal.
Voz Passiva Sintética
A voz passiva sintética é formada por verbo transitivo direto, pronome se (partícula apassivadora) e sujeito paciente.
Ex. :
Entregam-se encomendas.
Alugam-se casas.
Compram-se roupas usadas.
Voz Passiva Analítica
A voz passiva analítica é formada por sujeito paciente, verbo auxiliar ser ou estar, verbo principal indicador de ação no particípio - ambos formam locução verbal passiva - e agente da passiva. Veja mais detalhes aqui.
Ex.:
As encomendas foram entregues pelo próprio diretor.
As casas foram alugadas pela imobiliária.
As roupas foram compradas por uma elegante senhora.

Voz Reflexiva

Será chamada simplesmente de reflexiva, quando o sujeito praticar a ação sobre si mesmo.
Ex.:
Carla machucou-se.
Osbirvânio cortou-se com a faca.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Língua - Uso da Crase:

Na Língua Portuguesa a crase indica à contração de A + A= À. A crase representa o uso de uma preposição mais artigo feminino ou anda uma preposição mais pronome demonstrativo. É importante lembrarmos que a crase não é um acento, mas sim uma contração de a+a, indicando a fusão de dois sons.

Ex.: O ministro chegou à embaixada.
(PREPOSIÇÃO + ARTIGO)

O ministro chegou a + a embaixada.
à


Utiliza-se crase quando é necessário o uso de uma preposição frente a uma palavra que aceite um artigo feminino designando gênero (feminino) e número.

Volta às aulas.





Nesse caso é necessária uma preposição, termo que faz ligação entre dois outros termos para que haja concordância na oração, pois não é certo escrevermos:

Volta aulas.

Escrita dessa forma perde-se a concordância da oração, quem volta, volta a algum lugar. Assim como o termo aulas aceita artigo na designação de gênero feminino.


A crase também muda o significado de uma oração, observe o exemplo:

Bateu à porta.

Nesse caso, indica-se que a porta recebeu umas pancadinhas, alguém deu murros na porta (a porta é adjunto adverbial de lugar e exige o uso de crase).

Bateu a porta.

Nesse caso, a porta é objeto direto do verbo bater. Significa que alguém fechou bruscamente a mesma.


Maneiras de certificarmos o uso:


Existem alguns artifícios a fim de verificarmos o uso ou não da crase. Podemos reescrever a oração trocando o termo feminino por um sinônimo masculino, se na troca o A virar AO há crase.

Ex.: Graças à ajuda dos marinheiros a baleia foi salva.


Graças ao auxílio dos marinheiros a baleia foi salva.






Assim podemos verificar que existe crase, pois na troca dos termos houve A por Ao.



Outro método é o uso do verso “ se vou a e volto dá crase há”.


Ex.: Vou à Bahia. / Volto da Bahia.

Fui a Porto Seguro. / volto de Porto Seguro.



Uso obrigatório da Crase:

Os seguintes casos apresentam obrigatoriedade quanto ao uso da crase:

Obs.: é importante a percepção que há exceções ente os casos, como tudo em nossa Língua.Essas serão também explicadas.

Artigo + Preposição:


Dediquei-me à leitura.

Resisti à oferta.

Houve um baile à fantasia.

Com a palavra Moda ou ao estilo de ocultas:

Mesmo frente a nomes masculinos utilizamos crase quando queremos representar essas expressões ( imitando, ao estilo ou moda de alguém ou alguma coisa).

Ex.: Falei à Romário./ Falei a Romário.

No primeiro caso a crase denota que houve uma imitação quanto ao estilo de Romário falar assim sendo necessário o uso de crase; no segundo caso denota uma conversa entre o sujeito e Romário, nesse caso sem o uso de crase.
Ele escreve à Machado de Assis.

Significa que alguém escreve ao estilo de Machado de Assis.

Ele escreve a Machado de Assis.

Assim, refere uma carta escrita a Machado de Assis.






Indicando Horário:

Utilizamos na indicação de hora, a não ser que seja precedido de uma preposição antes:

Ex.: A reunião será às 21 horas.

Ele chegou às 16 horas.


Após as 18 horas chegarei ao local .

Desde as 13 horas estou a esperar por você.

Obs.: A preposição ATÉ torna o uso de crase facultativo, assim sendo poderemos utilizar a crase com a preposição até antes de indicação de horário.

Ex.: Te espero até às 21 horas.


Antes do termo DISTÂNCIA quando está aparece determinada:


Ficou à distância de um metro do acontecido.


Ensino à distância ( especifica que EAD é pela distância de rede,Internet)


Estás a distância de meu coração (nesse caso não há crase,pois a distância é subjetiva).
Antes de palavra feminina em locuções:


Comprou à vista.

Entrou à direita da noiva.

Crescemos à medida que estudamos.

Fiquei à espera de sua ligação.


Palavra Terra:


Utilizamos crase frente a esse termo quando houver representação de Terra natal ou região.

Ex.: Os astronautas chegaram à Terra.




Os marinheiros chegaram a terra.

No caso dos marinheiros terra representa chão firme ou solo e não região, assim não se utiliza a crase.


O presidente voltou à terra natal.


Palavra Casa:


Frente ao termo casa há crase apenas quando existe um complemento sobre a casa.


Ex.: Fui à casa de minha tia.

Todos voltaram à casa de Marília depois da reunião.

Nos dois casos existe um complemento sobre a casa,porém, se não houver o complemento não se utiliza a crase.

Ex.: Fui a casa com meus amigos.

O complemento refere ao sujeito e não a casa.

Fui a casa.








Frente a pronomes: aquele, aquela, aquilo, quando for possível substituir por a esse,a essa, a isso:


Permaneci indiferente àquele barulho. (a esse)

Não me refiro àquilo.(a isso).




Crase Facultativa:

Existem casos facultativos na Língua Portuguesa, ou seja, podemos utilizar ou não a contração.


Frente a nomes femininos:

Entreguei a Joana o presente.

Entreguei à Joana o presente.


Antes dos pronomes possessivos minha, tua, sua, nossa, vossa:



Fale a sua irmã.

Fale à sua irmã.

Refiro-me a vossa senhoria.

Refiro-me à vossa senhoria.



Depois da preposição ATÉ:

Vamos até a praia.

Vamos até à praia.



Uso proibido da Crase:


Antes de nomes de santos:

Orei a nossa senhora.

Rezei a São Jorge.


Antes de nomes masculinos:

Andei a cavalo.

Vendeu a prazo.



Antes de verbo:

Fiquei a esperar dias seu telefonema.

Começou a dirigir cedo.


Com A no singular antes de palavra no plural:


Não me refiro a mulheres, mas sim a crianças.


Meio a palavras repetidas:

Cara a cara, frente a frente, face a face, lado a lado.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Língua - Acentuação Gráfica:

Na Língua Portuguesa, as palavras são acentuadas de acordo com a posição da sílaba tônica. A seguir veremos as regras de acentuação a partir das oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas.


Oxítonas: Acentuam-se todas as palavras oxítonas terminadas em: A, E, O (seguidas de S ou não), assim como as com terminações em: EM, ENS.


Ex.: Sofá, Vatapá, Terminarás;

Café, Pontapé, Você, Português;

Cipó, Avó, Compôs, Bangalô;




Também, Porém, Além, Amém, Ninguém, Parabéns, Vinténs,etc.


Paroxítonas: Acentuamos todas as paroxítonas terminadas em:

R: Mártir, caráter, néctar;

L: Fácil, difícil, amável;

N: Elétron, hífen, Éden;

X: Félix, látex, tórax, córtex;

I(S): Táxi, Ísis, safári, lápis;

Us: Vírus, ônus, bônus, Vênus;

Um, uns: álbum, álbuns, quórum;

Ons: nêutrons, prótons, íons;

Ps: Bíceps, tríceps, fórceps;

ÃO(S): Órfão, órgãos, bênção;

Ã(S): ímã, órfãs.

Acentuamos também todas as paroxítonas terminadas em ditongos:

Ex.: Convênio, presidência, água, família, competência, ciência,etc.


Proparoxítonas: Todas as proparoxítonas são acentuadas na Língua Portuguesa.

Ex.: Música, Sábado, bêbado, lâmpada, único, código, cálice, Física, etc.



domingo, 22 de novembro de 2009

Língua - Sílaba Tônica - Oxítonas,paroxítonas e proparoxítonas.

Sílaba Tônica:

A sílaba tônica de uma palavra é aquela que apresenta maior peso em sua pronúncia, isto é, a sílaba mais alta ou mais forte da palavra. Não podemos confundir essa definição com a maior duração de sons de um termo, por exemplo: ao pronunciarmos a palavra amor. A sílaba A parece ter maior duração, porém, a sílaba mais alta, forte, é MOR. Quando uma sílaba é acentuada já nos facilita a percepção, pois o acento serve também para demarcar a sílaba tônica de um termo (mais adiante veremos acentuação gráfica).
Observe os exemplos:

EX.: Saúde: sa-ú-de.

Lápis:-pis.

Amor: a-mor.

Castelo: cas-te-lo.

Martelo: mar-te-lo.



Note que algumas palavras parecem ter um acento fantasma, caso de martelo, castelo, essas palavras também são fáceis de demarcarmos a sílaba tônica; Quanto aos termos que não apresentam um acento fantasma em sua pronúncia devemos analisar a sílaba de presença mais forte ou mais alta.


Classificação da Sílaba Tônica:


As palavras são classificadas de acordo com a posição da sílaba tônica. Os termos podem ser oxítonas, paroxítonas ou proparoxítonas.

Oxítonas: As oxítonas caracterizam-se por apresentar a sílaba tônica na última sílaba da palavra.

Ex.: Mar, Maracu, Vata, ci, ca, Radar, parabéns, etc.


Paroxítonas: Caracterizam-se pela presença da sílaba tônica na penúltima sílaba da palavra.

Ex.: xi, nis, pis, lix, ceps, Oca, índio, Caneta, moto, etc.

Proparoxítonas: São os termos que apresentam a sílaba tônica na antepenúltima sílaba da divisão silábica.

Ex.:
sica, bado, sica, tira, Química, etc.

sábado, 21 de novembro de 2009

Língua - Termos essenciais da oração - Sujeito e Predicado.

Caracterizamos como sujeito na Língua Portuguesa o ser ou objeto que pratica ação em uma oração.

Ex.: O Brasil é um grande país.

Meu time venceu o jogo com facilidade.


Os alunos
estudaram muito para a prova.

Note que o sujeito sempre refere o ser ou o objeto que pratica uma ação na oração, sendo assim, podemos descobrir o sujeito encontrando primeiramente o verbo na oração e após perguntando-lhe quem ou o quê.

O que é um grande país? O Brasil.
Quem venceu o jogo com facilidade? Meu time.
Quem estudou muito para a prova? Os alunos.

O predicado dá-se por tudo que diz respeito ao sujeito ou tudo que se fala do sujeito.

Ex.: O Brasil
é um grande país.

Meu time
venceu o jogo com facilidade.

Os alunos
estudaram muito para a prova.


Núcleo do Sujeito:

Para classificarmos o sujeito de uma oração torna-se essencial a discernimento sobre o núcleo do mesmo, ou seja, para que se classifique o sujeito é preciso saber o que é um núcleo.
O núcleo é aquele termo ou termos que são de extrema importância para o entendimento da oração, isto é, os termos que são essenciais ao sujeito para que a oração tenha sentido.


Ex.: O Brasil é um grande país.


Brasil é o núcleo, pois é o termo que se torna fundamental na oração.



Meu time venceu o jogo.
Time é o núcleo, pois também dá o entendimento ao sujeito.

Os alunos estudaram muito para a prova.
Alunos vem a ser o núcleo, pois dá sentido ao sujeito da oração.

Classificação do Sujeito:

Classificamos o sujeito de uma oração como simples, composto, oculto, indeterminado ou inexistente.

Sujeito Simples: O sujeito simples apresenta a característica de ser formado por apenas um núcleo.

Ex.: O presidente foi ao encontro das autoridades de Estado na Europa.

O presidente forma o sujeito da oração, mas presidente é o núcleo por ser o termo sem o qual não teríamos o entendimento da oração quanto ao seu sujeito. Assim: sujeito simples.

Os pássaros voam.

Podemos notar que mesmo o termo demarcando plural,ou seja,mais de um ser, o sujeito é simples se apenas um termo for o núcleo.


Sujeito Composto: O sujeito composto por dois ou mais núcleos.

Ex.: Appio e Roberto foram ao parque domingo comer algodão doce.

Brasil e Argentina são países rivais dentro das quatro linhas.

Sujeito Indeterminado: Como diz o termo indeterminado, existe sujeito, mas não é possível determinarmos quem é o ser que pratica a ação.

Ex.: Chegou atrasado à reunião.

Estudou muito para o teste.

Foi ao cinema assistir ao filme.

Nos três exemplos podemos verificar que não aparece escrito o sujeito na oração, isto é, ele existe, mas fica posicionado antes do verbo. Nesse caso podemos ver a possibilidade quanto o encaixe do termo Alguém, se for possível caracterizamos o sujeito como indeterminado.
Existem outros pronomes pessoais que identificam esse tipo de sujeito, mas torna-se mais fácil a verificação através desse processo.


Sujeito Oculto: Do mesmo modo que no sujeito indeterminado, no sujeito oculto o ser que pratica a ação fica escondido, dai o nome oculto.

Ex.: Foram ao cinema assistir ao filme.

Jogaram bem, mas não foi possível uma maior goleada.

Cantaram durante à noite toda aquela canção que todos conheciam.

Podemos notar nos exemplos que há possibilidade de encaixarmos pronomes pessoais: eles, elas, nós, vós, tu, eu. Dessa forma podemos identificar o sujeito oculto.


Sujeito Inexistente: Esse tipo de sujeito também é chamado de oração sem sujeito em algumas gramáticas, mas a forma mais comum quanto ao nome é inexistente. Existem duas características marcantes para a sua identificação:

Quando existe verbo que personifique um fenômeno da natureza.

Ex.: Geou em Canela ontem durante a tarde.

Trovejou durante à noite.

Nevou em Gramado.


Note que em todos os casos o verbo indica um fenômeno da natureza ligado ao clima.

Verbo Haver no sentido de existir:

Há cinco livros na estante.

Havia muitos carros no engarrafamento devido ao tráfego intenso de veículos.

Língua - SUJEITO - Partícula apassivadora, Transformação: voz passiva.

• Sujeito indeterminado: ocorre quando a terminação do verbo e o contexto permitem reconhecer que: - existe um elemento ao qual o predicado se refere, mas - não é possível identificar quem é, nem quantos são esses elementos.
Exemplo: Chegaram da festa tarde demais.
Há duas maneiras de se indeterminar o sujeito:
- pode-se colocar o verbo na terceira pessoa do plural, sem referência a nenhum antecedente; Exemplo: Dizem péssimas coisas sobre você.
- justapondo-se o pronome se – índice de indeterminação do sujeito – ao verbo na terceira pessoa do singular.
Exemplo: Precisa-se de balconista.
* Quando o verbo está na terceira pessoa do plural, fazendo referência a elementos antecedentes, o sujeito classifica-se como determinado.
Exemplo: A sua família não te respeita. Dizem péssimas coisas sobre você.
* É preciso não confundir a classificação do sujeito em frases aparentemente equivalentes como as que seguem:
Exemplos: Discutiu-se o fato. Discordou-se do fato.
Na primeira, o sujeito é determinado; na segunda é indeterminado. Para compreender a diferença entre um caso e outro, é preciso levar em conta que o pronome se pode funcionar como:
Partícula apassivadora: nesse caso, sempre há na frase um sujeito determinado;
Índice de indeterminação do sujeito: nesse caso, o sujeito é indeterminado. Se – Partícula apassivadora Quando o pronome se funciona como partícula apassivadora, ocorre a seguinte estrutura:
• Verbo na terceira pessoa (singular e plural) • Pronome se;
• Um substantivo (ou palavra equivalente) não precedido de preposição;
• É possível a transformação na voz passiva com o verbo ser (voz passiva analítica).

Exemplo: Contou-se a história.
verbo na 3ª pessoa
pronome
substantivo sem preposição.

Transformação:
Foi contada a história.
voz passiva analítica (com o verbo ser)

A análise da frase anterior será então a seguinte:
Contou-se a história.
Voz passiva sintética ou pronominal
partícula apassivadora
sujeito determinado simples


Se – Índice de indeterminação do sujeito Quando o pronome se funciona como índice de indeterminação do sujeito, ocorre esta estrutura:
• Verbo na terceira pessoa do singular;
• Pronome se;
• Não ocorre um substantivo sem preposição que possa ser colocado como sujeito do verbo na voz passiva analítica.
Exemplo:


Falou-se da história.
verbo na 3ª pessoa do singular
pronome
substantivo com preposição.

Transformação na voz passiva analítica – não é possível. A frase terá então a seguinte análise:
? falou se da história
sujeito indeterminado
verbo na voz ativa
índice de indeterminação do sujeito
objeto.

Resumão:

Sujeito inexistente: ocorre quando simplesmente não existe elemento ao qual o predicado se refere.
Exemplo: Choveu durante o dia.
O verbo que não tem sujeito chama-se impessoal e os verbos impessoais mais comuns são os seguintes: - haver: no sentido de existir, acontecer e na indicação de tempo passado. Exemplo: Houve poucas reclamações.
- fazer: na indicação de tempo passado e de fenômenos da natureza. Exemplo: Faz dois anos que te perdi.
- ser: na indicação de tempo e distância. Exemplo: É dia.
- todos os verbos que indicam fenômenos da natureza; Exemplo: Nevou durante a madrugada. Choveu muito durante o dia.

Língua - Frase, oração e período:

Frase:

Em nossa língua denominamos frase como a menor unidade gramatical, ou seja, qualquer palavra que denote alguma ideia de sentido:

Ex.: fogo, bola, poste, porta, saída, dragão etc.

Em suma, qualquer palavra que pronunciamos e que apresenta algum sentido denomina-se como uma frase.


Oração:

Oração dá-se por uma ideia ligada a um verbo em seu desenvolvimento.

Ex.: A menina caiu do balanço.

A bola foi chutada em direção ao gol pelo jogador.

Paula subiu rapidamente a escada.



Notamos grafados os verbos, assim , percebemos que uma oração necessita de um verbo para que seja assim denominada: uma ideia ligada a um verbo.


Período:

Chamamos de período uma ideia levada até o ponto.

Ex.: Paula subiu rapidamente a escada.

O ponto caracteriza o final de um período, devido a isso, quanto há um sinal de pontuação indicando que ainda falta uma ideia a ser colocada não é caracterizado um período. Então, se tivéssemos a mesma ideia, porém com um ponto de interrogação ao final, não teríamos um período.

Ex.: Paula subiu rapidamente a escada?


Os períodos classificam-se em dois tipos:




Período Simples:

Chamamos de período simples sempre que houver apenas uma oração.

Ex.: Os lutadores fizeram uma boa luta.




O golpe foi fatal.
Um dos lutadores venceu a luta.


Notamos que nos três exemplos existe apenas uma oração compondo a ideia.


Período Composto:


O período composto caracteriza-se por ser formado por duas ou mais orações até o encerramento da ideia, ou seja, até o ponto de encerramento.


Ex.: Os lutadores fizeram uma boa luta, mas ao final apenas um saiu vencedor.

Tenho certeza: amo você.

A menina caiu do balanço, machucou o braço.

Note que em todos os exemplos existe mais de uma oração até o ponto encerrando a ideia. Podemos assim observar que os sinais de pontuação servem também,em nossa língua, com fim a separar uma oração de outra.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Literatura - Canção do exílio (Gonçalves Dias).

"Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá."

Interpretação:
Gonçalves Dias escreveu o poema quando estava em Portugal, daí o nome : canção do exílio. O poema faz uma exaltação à natureza brasileira com as devidas características da primeira geração romântica: valorização da natureza,indianianismo e nacionalismo.
O poeta exalta as qualidades de nosso país, realizando uma comparação entre o Brasil e o país onde estava: Portugal.
É possível notar que Gonçalves Dias mostra um certo descontentamento com a visão tida pelos portugueses em relação ao nosso território, por isso nessa comparação o autor relata sobre as belezas de nossa terra e transcreve que a vida aqui é melhor, pois há mais felicidade em nossas vidas, nossa natureza é mais vívida, nosso ceu mais límpido,nossa fauna e flora mais celestiais.
O poema trata com verdadeiro nacionalismo
, patriotismo e amor nosso país.

domingo, 1 de novembro de 2009

Língua - Acordo Ortográfico - Terceira parte: O Alfabeto.

Bem...já vimos o que muda na Língua Portuguesa em relação ao uso do trema e do hífen ( acordo ortográfico, parte I e II), assim como o porquê das novas regras e do acordo entre os países da Língua Portuguesa. Agora veremos o que modifica em relação ao alfabeto....na quarta e última parte será abordada a nova acentuação.

O alfabeto da Língua Portuguesa passa de 23 letras a ter novamente 26 , pois de acordo com o acordo são reintroduzidas as letras: K, W ,Y.

Então: A,B,C,D,E,F,G,H,I,J,K,L,M,N,O,P,Q,R,S,T,U,V,W,X,Y,Z.

Na verdade essas letras permaneciam na maioria de nossos dicionários, sendo utilizadas em unidades de medida: W (watt), Km ( quilômetro), Kg (quilograma), bem como em nomes e derivações estrangeiras: playboy, Kung Fu, Kafka, Kaiser, show, playground, windsurf,etc.

Continua...em quatro partes.

Postagem mais Recente

Qual das alternativas está errada? por quê?

Postagens mais Visitadas