segunda-feira, 10 de novembro de 2014

LITERATURA - Leitura obrigatória, UFRGS. TROPICÁLIA OU PANIS ET CIRCENCIS



O Tropicalismo foi um movimento de base cultural que fez história no Brasil, em meados de 1967. A tropicália foi um movimento estético e comportamental, caracterizou-se pela junção de elementos típicos da cultura brasileira. Teve raiz na corrente de vanguarda antropofágica (1922). Gilberto Gil, Tom Zé, Caetano Veloso, Torquato Neto, Hélio Oiticiça e Rogério Duprat foram alguns dos idealizadores do movimento.
                    O marco inicial do Tropicalismo teve origem em 1967, após a exposição de Hélio Oitiça, intitulada "Tropicália, manifestação ambiental". Outros três fatos relevantes devem ser agregados para o fundamento da corrente tropicalista: a estreia da película de Glauber Rocha (Terra em Transe), a peça de Oswald de Andrade, "O Rei da Vela" e as participações de Gilberto Gil e Caetano Veloso no Festival da Record III.
                    Em relação à música, a Tropicália trouxe o ar da rebeldia, da juventude indomável, misturando toda a brasilidade: folclore, religiosidade, Bossa nova, MPB e outros tradicionais elementos da identidade cultural que se criava em nosso país. O ponto crucial da manifestação musical do tropicalismo foi a gravação do álbum "Tropicália Ou Panis et Circencis", em 1968, no mês de Maio.
                    O disco reuniu doze canções, nas vozes de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Nara Leão e os mutantes. Juntaram-se à poesia de Torquato Neto e Capinam, com arranjos de Tom Zé e regência de Rogério Duprat. As músicas não procuravam um tom de sequência, não havia consenso, o objetivo era mostrar o ar dessa juventude contestadora.


Capa do álbum

                    A Capa do disco denota a irreverência da Tropicália, elaborada pelo artista plástico Rubens Gerchman, com a fotografia de Oliver Perroy. A criação da imagem teve a participação de todos os envolvidos na gravação do álbum, foi elaborada a partir de uma paródia da obra dos Beatles, intitulada "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band". Na imagem aparecem alegorias nacionais, todos aparecem postados de acordo com as fotografias familiares da época. Notamos na fotografia a ausência de Nara Leão, mas ela aparece no retrato nas mãos de Caetano Veloso, esse está ao lado dos mutantes, que estão com feições sérias, empunhando guitarras, instrumento da nova música, na época.Tom Zé veste um terno e segura uma mala de couro, representando a migração nordestina; Torquato Neto e Gal Costa figuram como um típico casal interiorano, Gilberto Gil veste uma toga e segura uma foto de formatura, representando os intelectuais, sua toga tem as cores tropicais. A imagem tem a moldura das cores brasileiras, a fim de emblemar o sentido de identidade brasileira ao álbum.
                    A contracapa traz uma imagem de tropicalistas em um diálogo desconexo, representando o sentido de falta de senso ou conformidade da obra. A estrutura das faixas não é colocada de forma normal, não apresenta interrupções para indicar o final e começo de nova composição, remetendo ao disco dos Beatles citado anteriormente.
                   

                    Objetivos

               As músicas têm uma estrutura polifônica e letras que não visam uma forma conceitual de protesto, mas sim apresentam um contexto alegórico e irônico quanto à ditadura militar.


                   
ÁLBUM

"Miserere Nóbis"
                    A primeira faixa traz o título composta por Gilberto Gil e Capinam, Gil canta o sentido de desaprovação à ditadura, porém em tom suave, comparada às músicas de protesto da época, entoada em ritmo de marcha militar. Tiros de canhão são colocados ao término da música, como forma de objetivar a repressão a um protesto. Os versos "É no sempre será, ó iaiá/ É no sempre serão" entoa o sentido metafórico da situação vivida na ditadura.

"Coração Materno"
                    Música de Vicente Celestino, criticada por muitos críticos da época, que a consideravam uma faixa desprezível, cafona. Cantada por Caetano Veloso, a interpretação une o tom rural da canção original mesclada ao arranjo de Duprat, recheada de violoncelos graves, a fim de tonalizar uma forma de opereta dramática. Notamos a "bagunça" idealizada em tom de lirismo e ruralidade nessa composição.


"Panis et Circencis"

                    Terceira faixa, letra de Gilberto Gil e Caetano Veloso, interpretada pelo grupo Os Mutantes, a letra traz o contraste entre os sonhos e concretizações juvenis, o nascer e morrer dos objetivos e criações da vida cotidiana.  A canção inicia-se com o coro da banda, em uma estrutura harmônica com uma sutil dissonância. Por fim a canção evolui para o psicodelismo absoluto. De repetente a música é interrompida, sendo recriado um jantar, ouve-se vozes à mesa, ruídos de talheres e a valsa “Danúbio Azul” ao fundo. O psicodelismo é crescente, com ruídos de copos a espatifarem-se, numa metáfora do rompimento com os costumes. A música encerra-se com um corte súbito. Sua eternidade na MPB atingiria vários intérpretes ao longo das quatro décadas que se passaram desde o seu lançamento. Mas nenhuma interpretação alcançaria o clima que esta versão original de Os Mutantes alcançou.
Panis et Circencis

Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos sobre os mastros no ar
Soltei os tigres e os leões nos quintais
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer
Mandei fazer
De puro aço luminoso um punhal
Para matar o meu amor e matei
Às cinco horas na avenida central
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer
Mandei plantar
Folhas de sonho no jardim do solar
As folhas sabem procurar pelo sol
E as raízes procurar, procurar
Mas as pessoas na sala de jantar
Essas pessoas na sala de jantar
São as pessoas da sala de jantar
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer

Irreverência, marca fundamental da Tropicália
 Quadro de Rubens Gershman, chamado " A Bela Lindonéia, ou A Gioconda do Subúrbio", obra que inspirou a letra da música..

"Lindonéia"
                    Faixa composta por Gilberto Gil e Caetano Veloso.
Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida

DespedaçadosAtropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Oh, meu amor
A solidão vai me matar de dor

Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo
Segunda-feira

Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ah, meu amor
A solidão vai me matar de dor

No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida
[...]
                    A letra disserta sobre a violência sofrida por Lindonéia, contextualizando o sofrimento do povo brasileiro devido à ditadura militar. A personagem retrata a tipificação do povo brasileiro. Essa faixa já foi colocada em questão na prova da UFRGS no ano de 2009.


"Geleia Geral"
                   
                    A música, composta por Torquato Neto e Gilberto Gil, traz no título uma amostra que revela o que foi o movimento tropicalista, uma total fusão de mistura de elementos culturais e folclóricos da terra brasilis. Movimento de origem no modernismo, na escola antropofágica, de Oswald de Andrade, unia as concepções tradicionais ligadas ao modernismo visual (cabelos compridos, guitarra elétrica, ruralidade, MPB, bossa nova...).
                    A música traz uma série de referências, algumas  em tom de paródia, que representam o Brasil e nossa cultura. Podemos perceber o Manifesto Antropófago do Oswald, ao falar de "Pindorama" e citar "A alegria é a prova dos nove". O poema  "Canção do Exílio", na passagem  "Minha terra é onde o sol é mais limpo". Referência ao Hino à Bandeira, em "Salve o lindo pendão dos seus olhos". Uma  mistura total com o Canecão (casa de espetáculos carioca), a TV, a mulata, o Frank Sinatra, o barroco baiano, a carne-seca, a Mangueira e a Portela, um refrão com bumba meu boi. De forma fragmentada a música revela as várias faces de nossa cultura.

"Parque Industrial"

                    Faixa composta por Tom Zé, artista que incorpora uma grande percepção da realidade ligada ao "no-sense", característica do tropicalismo. A música apresenta uma referência às marchas militares em seu arranjo, a letra denota os efeitos da industrialização para o país, tratando o progresso de forma irônica:
"O avanço industrial / Vem trazer nossa redenção".






"Bat Macumba"
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba oh
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba
Bat Macumba ê ê, Bat Macum
Bat Macumba ê ê, Batman
Bat Macumba ê ê, Bat
Bat Macumba ê ê, Ba
Bat Macumba ê ê
Bat Macumba ê
Bat Macumba
Bat Macum
Batman
Bat
Ba
Bat
Bat Ma
Bat Macum
Bat Macumba
Bat Macumba ê
Bat Macumba ê ê
Bat Macumba ê ê, Ba
Bat Macumba ê ê, Bat
Bat Macumba ê ê, Batman
Bat Macumba ê ê, Bat Macum
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba oh
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá!
                   
                    Caetano Veloso e Gilberto Gil, autores de Bat Macumba, mesclam nessa composição uma forma de modernidade à brasileira, unindo os elementos: religião (macumba), pop (seriado televisivo) e a poesia do sincretismo. A letra perde uma sílaba a cada verso, chegando a conter uma sílaba em um verso, voltando a sua estrutura simétrica novamente no decorrer.
                    O sincretismo é representado na estrutura dos versos, que formam uma letra K (letra estrangeira, introduzida em nosso vocabulário em 1990), talvez uma bandeira de São João (típica festa folclórica de nosso país) ou uma meia bandeira do Brasil? várias interpretações podem ser notadas.
                    Quanto aos elementos de arranjo, a música refere uma reverência ou invocação religiosa, percussão afro, um violão que remete a um fraseado de guitarra elétrica junto a um coro e gritos.

 “Três Caravelas (Las Tres Carabelas)” 

                    Letra de E. Moreu e Alguero Junior, versão de João de Barro, interpretada por Caetano Veloso e Gilberto Gil. Trata-se de uma canção caribenha, a letra faz uma ode à viagem de Cristovão Colombo e suas aventuras na descoberta das Américas, em 1942.
                    Veloso inicia cantando em espanhol, enquanto Gilberto Gil faz a letra em português, os nomes das naus de Colombo aparecem adquirindo tom religioso devido á entoação junto ao refrão da música.





Enquanto Seu Lobo Não Vem"

                    Letra de Caetano Veloso,  a faixa decorre como um passeio em uma floresta escondida que finda no concreto da cidade. No ano de 1968, a esquerda tomou a postura de denunciar a ditadura instalada em 1964, a fim de  uma forma de confronto, para assim tentar derrubá-la sem medo. Dessa forma, adotou  canções de protestos como “Disparada” e “Caminhando”, com uma linguagem mais direta, sem as metáforas tropicalistas. “Enquanto Seu Lobo Não Vem” não deixa de ser uma contestação política, longe de ser alienada como a Tropicália passou a ser vista. Se para a esquerda engajada tomar o poder e acabar com a ditadura militar era a principal meta, para os tropicalistas não o era, para eles as mudanças de comportamento, a revolução sexual, vão adquirindo cada vez mais importância, e, com estas mudanças, aí sim a queda da repressão. Este diálogo entre os tropicalistas e a esquerda tradicional vai se diluindo cada vez mais. No fim do movimento, a psicodelia e o rock absorvem toda a proposta. “Enquanto Seu Lobo Não Vem” é um dos últimos diálogos com engajamento, que se iria romper para sempre quando Caetano Veloso interpretou em um festival a música “É Proibido Proibir”. Interpretada a solo por Caetano Veloso, com vocais de um coro luxuoso formado por Gal Costa e Rita Lee, a canção é um passeio pelas avenidas da ditadura, da força repressiva que se respira no ar. O passeio é interrompido pelas vozes femininas do coro, que estão sempre a repetir “Os clarins da banda militar”. A música cita a “Internacional”, o hino da revolução comunista, numa referência de que a Tropicália era muito mais do que um movimento de alienados.


Hino ao Senhor do Bonfim

                    Essa faixa desagradou profundamente aos católicos, chegando a causar movimentos religiosos contra o grupo da tropicália. Os religiosos mais fanáticos consideravam a música uma afronta á religião, uma heresia.
                    Gilberto Gil e Caetano cantam, Gal Costa entra no coro, há um hino religioso no início, interpretado por metais em tons graves. Na segunda parte a canção é entoada em ritmo de samba, mesclando o profano e religioso em uma miscelânea típica da tropicália.

                    Tropicália ou Panis et Circencis” foi um álbum que caracterizou tipicamente o movimento da tropicália, amado e idolatrado por uns e odiado e repudiado por outros. Caetano Veloso considera o melhor álbum tropicalista produzido, já Gilberto Gil confessou não gostar dele quando o viu pronto. Com influências visíveis dos Beatles, o álbum cumpriu o objetivo de sintetizar a mensagem tropicalista e trazer à luz o movimento como um todo. Depois de lançado, em julho de 1968, a Tropicália seria interrompida em dezembro, com as prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Com o fim do movimento, o álbum ficaria esquecido por muitos anos, só sendo relançado quando os seus intérpretes já tinham uma carreira sólida, e alguns deles, tornaram-se estrelas máximas da MPB.


Postagem mais Recente

Qual das alternativas está errada? por quê?

Postagens mais Visitadas