sábado, 31 de outubro de 2009

Caso da Loira de minivestido

Não posso deixar de escrever sobre o caso absurdo ocorrido na faculdade Bandeirantes,no ABC Paulista.A menina que foi de minivestido para a aula e teve que sair escoltada pela polícia, pois milhares de estudantes,tanto homens como mulheres, xingavam , ameaçavam de estupro, o celular por baixo do vestido da menina para tirar fotos....poxa, em plena universidade isso, bando de animais...indignos de frequentar uma universidade,pois o certo seria frequentarem um "zoo". Aqui em Poa é normal vermos nas universidades meninas trajando vestidos, saias, minissaias, mas nosso povo parece civilizado...não falo mal de paulistas, pois prezo esse grande estado e sei que suas universidades são ótimas instituições de ensino.....e nada têm com o intuito medieval de alguns alunos. Só espero que esses notem que estão em uma universidade e comecem a agir como tal...cresçam,evoluam...

domingo, 25 de outubro de 2009

Língua - Transitividade Verbal- objeto direto, indireto:

Como vimos no "post" anterior, alguns verbos possuem sentido completo,enquanto outros não. A transitividade verbal tem como estudo esse elemento: os verbos que necessitam de complemento são chamados transitivos; verbos que não necessitam de complemento são denominados: intransitivos.

Verbos Intransitivos (V.I.):

São os verbos que não necessitam de complemento por apresentarem um sentido completo.

ex.: Os alunos estudam.
O professor chegou.
O bebê nasceu.

Note que é possível acrescentar um complemento, pois todo o verbo pode receber um, mas não é necessário no caso do verbo ser intransitivo.

Os alunos estudam para a prova. O professor chegou antes do sinal. O bebê nasceu prematuro.

Verbos Transitivos (V.T.):

São assim chamados os verbos que necessitam de complemento, pois não apresentam sentido sem esse. A esse complemento damos o nome de objeto ( direto quando colocado sem o auxílio de uma preposição e indireto quando utiliza preposição).

Verbos Transitivos Diretos ( V.T.D.):

Nominamos desse modo aqueles verbos que necessitam de complemento sem o auxílio de uma preposição, ou seja, utilizam um objeto direto como complemento.

ex.: A avó agradou o neto.
Todos falavam alto demais.
Minha equipe venceu o campeonato brasileiro.

Nos três exemplos o verbo não apresenta uma preposição no complemento, portanto, objeto direto após o verbo.


Verbos Transitivos Indiretos (V.T.I.):

São os verbos que necessitam de complemento com o auxílio de uma preposição, portanto, objeto indireto.

ex.: O novo projeto econômico não agradou ao povo.
Todos falavam de ti.
todos gostam de música.

O mesmo verbo pode agir como transitivo direto em uma oração e ser transitivo indireto em outra. Isso ocorre de acordo com o objeto colocado e a sua necessidade quanto à regência.

Verbos Transitivos Diretos e Indiretos ( V.T.D.I.):

São os verbos que apresentam mais de um complemento. Um com objeto direto e outro com objeto indireto.

ex.: Agradeci a ela o convite.
Chamei o menino à atenção, pois estava conversando durante a aula.
Entregou flores à secretária.

Os casos acima mostram verbos com um complemento utilizando preposição ( objeto indireto) e outro sem preposição (objeto direto).

sábado, 24 de outubro de 2009

Língua - Regência verbal e nominal - curiosidades:

A regência trata das relações existentes entre os termos em uma frase, ou seja, estuda a dependência entre as palavras. Toda frase apresenta termo regente e termo ou termos regidos.

Termos regentes Termos regidos

Agradar a o filho.
Chamar o filho.
Amor a o próximo.

Na Língua Portuguesa essa relação entre termo regido e termo regente é indicada pelo uso das preposições.

Regência Nominal:

Quando termo regente é um nome temos a regência nominal ( substantivo, adjetivo, advérbio).

Horror a Buenos Aires.
Natural de Buenos Aires.
Um dia em Buenos Aires.

Nos casos em que os nomes não apresentam um sentido completo é necessário complemento, assim o significado do nome transita para o complemento estabelecendo uma relação entre regente e regido que é medida por uma preposição.

Note algumas regências:

acessível a
ávido de, por
entendido em
equivalente a
fácil de
firme em
grato a
gosto por

Regência Verbal:

Refere ao estudo dos verbos quanto à necessidade e ao tipo de complemento exigido, nesse caso o termo regente na oração é um verbo e não um nome.

Chegamos a Buenos Aires.
Estamos em Buenos Aires.
Simpatizamos com Buenos Aires.

Alguns verbos, por expressarem uma ideia completa, não exigem complemento. São os verbos Intransitivos( assunto que será tratado logo mais)

Os jovens estudam.
O menino dormiu.
As crianças brincam.

Há também os verbos de ligação: ser,estar,ficar,andar,permanecer,parecer,etc.

Outros verbos não têm sentido completo, exigem complemento (objeto direto, objeto indireto). São os verbos transitivos( assunto que será abordado logo mais):

Meu pai comprou um sítio.
verbo O.D.

As crianças gostam de desenhos animados.
verbo O.I.

Observe que no primeiro caso a ligação entre o verbo e seu complemento dá-se diretamente, ou seja, verbo transitivo direto e objeto direto; no segundo caso temos o uso de preposição entre o verbo e o complemento, logo: verbo transitivo indireto e objeto indireto.

Algumas regências:

verbo ASSISTIR:

No sentido de presenciar, ser espectador, pede objeto indireto:

Assistimos ao filme ontem. Assisti a um ótimo filme.

No sentido de dar auxílio, ajudar, pede objeto direto:

O médico assiste o paciente. O escoteiro assistiu o senhor.

Obs.: notamos assim que o uso do verbo assistir sem preposição é errado no caso de presenciar. Ouvimos esse erro frequentemente: assisti o filme ( você ajudou, deu auxílio ao filme? )

Agradar:

No sentido de satisfazer, pede objeto indireto, ou seja, preposição entre o verbo e o complemento:

A nova lei não agradou ao público.

No sentido de dar carinho,afago, pede objeto direto, opu seja, sem o uso de preposição entre verbo e complemento:

A avó agradou o neto.

NÃO DEVEMOS DAR A DOIS VERBOS DE REGÊNCIA DIFERENTE O MESMO COMPLEMENTO:

ex.: entrar em e sair de:

ERRADO: O aluno entrava e saía da sala repetidas vezes.
CERTO: O aluno entrava na sala e saía dela repetidas vezes.

COM VERBOS DE MOVIMENTO ( IR,VIR, COMPARECER,VOLTAR, CAIR) EMPREGA-SE A PREPOSIÇÃO A E NÃO EM.

ERRADO: Caiu no chão.
CERTO: Caiu ao chão.

ERRADO: Vou na casa de um amigo.
CERTO: Vou à casa de um amigo.

ERRADO: Cheguei no aeroporto.
CERTO: Cheguei ao aeroporto.

Preferir: prefere-se uma a outra:

Prefiro a democracia ao totalitarismo.
Todos preferem elogio à censura.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Língua - Uso dos porquês:

Na Língua Portuguesa há quatro (4) maneiras quanto ao uso do porquê: por que , porque, porquê, porquê.Frequentemente as pessoas falam em dificuldade na aplicação desse termo, mas é simples, vamos lá:

Por que: utilizamos em início de frase ou oração e quando é possível a substituição pelas expressões: pela qual, pelas quais, pelo qual,pelos quais, indicando motivo ou razão ou em sentido de deslocamento.

ex.: o avião por que fui a São Paulo era novo.
por que chegaste agora?
O trabalho por que sou remunerado é maravilhoso.

Porque: em afirmações.

ex.: estudo porque quero evoluir sempre.
Cheguei atrasado porque estava confuso o trânsito.

Obs.: notamos que às vezes a maneira como é escrito o porquê dá diferente interpretação ao que é colocado, se for junto e sem acento pode estar se afirmando algo e separado sem acento pode estar explicando o motivo de algo.

Porquê: quando for substantivado, ou melhor, quando aparecer após: o,os,do,dos.

ex.: Os filósofos estudam os porquês da vida.
Gostaria de saber o porquê da confusão.
Estudo dos porquês.

Por quê: utilizamos em final de frase ou oração.

ex.: Sei por quê.
sabes por quê ?

domingo, 18 de outubro de 2009

Língua - Ortografia de palavras do nosso dia a dia e curiosidades - parte I:

Durante o nosso dia a dia ( dia a dia sem hífen representa um dia após o outro,enquanto dia-a-dia com o uso do hífen remete a um dia inteiro do momento em que acordamos ao instante em vamos dormir) vemos uma série de "errinhos" em alguns termos grafados ou pronunciados. Aqui início a série ortografia e curiosidades,heeee...
A bola "picou"...lembre-se: a bola não "pica",mas sim "quica". Picar significa cortar enquanto quicar veio do ruído feito pela mesma ao bater no solo. A forma correta: a bola quicou na área antes do centroavante marcar o gol.
O termo gorjeta é escrito com "J" por que vem de gorja, que significa "garganta". A relação do termo ao seu uso vem do hábito primitivo de se gratificar uma pessoa pelo seu serviço com uma pequena quantidade em dinheiro ou com um pouco de bebida,apenas para "molhar a garganta".
Maquilagem/maquiagem ou maquiage: Tanto podemos utilizar maquilagem como maquiagem: maquilagem vem do francês maquillage, depois aportuguesada,pois em nossa língua não existe o uso de dois "L'" ,assim como o final age em substantivos,sendo acrescentado o "m". Basta notarmos: bobagem, hospedagem,etc. A forma maquiage no português está sempre errada.
Geada não cai, mas sim a neve. Devemos utilizar geou ontem, vai gear na madrugada, etc.
Obrigado/ obrigada: os homens devem sempre dizer obrigado em qualquer ocasião, assim como as mulheres sempre obrigada. Aguardem mais ...

sábado, 17 de outubro de 2009

Literatura, resumo - Capitães de Areia (Jorge Amado):

Os Capitães da Areia é um grupo de meninos de rua. O livro é dividido em três partes. Antes delas, no entanto, via uma sequência de pseudo- reportagens, explica-se que os Capitães da Areia é um grupo de menores abandonados e marginalizados, que aterrorizam Salvador. Os únicos que se relacionam com eles são Padre José Pedro e uma mãe-de-santo. O Reformatório é um antro de crueldades, e a polícia os caçam como os adultos antes do tempo que são. A primeira parte em si, "Sob a lua, num velho trapiche abandonado" conta algumas histórias quase independentes sobre alguns dos principais Capitães da Areia (o grupo chegava a quase cem, morando num trapiche abandonado, mas tinha líderes). Pedro Bala, o líder, de longos cabelos loiros e uma cicatriz no rosto, uma espécie de pai para os garotos, mesmo sendo tão jovem quanto os outros, e depois descobre ser filho de um líder sindical morto durante uma greve; Volta Seca, afilhado de Lampião, que tem ódio das autoridades e o desejo de se tornar cangaceiro; Professor, que lê e desenha vorazmente, sendo muito talentoso; Gato, que com seu jeito malandro acaba conquistando uma prostituta, Dalva; Sem- Pernas, o garoto coxo que serve de espião se fingindo de órfão desamparado (e numa das casas que vai é bem acolhido, mas trai a família ainda assim, mesmo sem querer fazê-lo de verdade); João Grande, o "negro bom" como diz Pedro Bala, segundo em comando; Querido- de- Deus, um capoeirista que é só amigo do grupo; e Pirulito, que em grande fervor religioso. O ápice da primeira parte vem em duas partes: quando os meninos se envolvem com um carrossel mambembe que chegou na cidade, e exercem sua meninez; e quando a varíola ataca a cidade e acaba matando um deles, mesmo com Padre José Pedro tentando ajudá-los e se encrencando por isso. A segunda parte, "Noite da Grande Paz, da Grande Paz dos teus olhos", surge uma história de amor quando a menina Dora torna-se a primeira "Capitã da Areia", e mesmo que inicialmente os garotos tentem tomá-la a força, ela se torna como mãe e irmã para todos. (O homossexualismo é comum no grupo, mesmo que em dado momento Pedro Bala tente impedi-lo de continuar, e todos eles costumam "derrubar negrinhas" na orla.) Mas Professor e Pedro bala se apaixonam por ela, e Dora se apaixona por Pedro Bala. Quando Pedro e ela são capturados (ela em pouco tempo passa a roubar como um dos meninos), eles são muito castigados, respectivamente no Reformatório e no Orfanato. Quando escapam, muito enfraquecidos, se amam pela primeira vez na praia e ela morre, marcando o começo do fim para os principais membros do grupo. "Canção da Bahia, Canção da Liberdade", a terceira parte, vai nos mostrando a desintegração dos líderes. Sem-Pernas se mata antes de ser capturado pela polícia que odeia; Professor parte para o RJ para se tornar um pintor de sucesso, entristecido coma morte de Dora; Gato se torna uma malandro de verdade, abandonando eventualmente sua amante Dalva, e passando por ilhéus; Pirulito se torna frade; Padre José Pedro finalmente consegue uma paróquia no interior, e vai para lá ajudar os desgarrados do rebanho do Sertão; Volta Seca se torna um cangaceiro do grupo de Lampião e mata mais de 60 soldados antes de ser capturado e condenado; João Grande torna-se marinheiro; Querido-de-Deus continua sua vida de capoeirista e malandro; Pedro Bala, cada vez mais fascinado com as histórias de seu pai sindicalista, vai se envolvendo com os doqueiros e finalmente os Capitães da Areia ajudam numa greve. Pedro Bala abandona a liderança do grupo, mas antes os transforma numa espécie de grupo de choque. Assim Pedro Bala deixa de ser o líder dos Capitães da Areia e se torna um líder revolucionário comunista. Este livro foi escrito na primeira fase da carreira de Jorge Amado, e nota-se grandes preocupações sociais. As autoridades e o clero são sempre retratados como opressores (Padre José Pedro é uma exceção mas nem tanto; antes de ser um bom padre foi um operário), cruéis e responsáveis pelos males. Os Capitães de Areia são heróicos, "Robin Hood"'s que tiram dos ricos e guardam para si (os pobres). O Comunismo é mostrado como algo bom, e o Padre José Pedro tem dúvidas quanto a posição da Igreja quanto ao assunto. No geral, as preocupações sociais dominam, mas os problemas existenciais dos garotos os transforma em personagens únicos e corajosos, corajosos Capitães da Areia de Salvador.

Literatura e Sociedade...Atualidade.

A Literatura é uma das formas mais próximas de um indivíduo para que esse cresça em sua intelectualidade e cultura. Através dos livros nos é possível adquirir conhecimento e cultura sobre qualquer época ou lugar em nosso mundo, devido a isso podemos dizer que a Literatura caminha lado a lado com a história, pois, através dos livros os autores mostram vários aspectos de um povo, nação ou continente.



A Literatura e a Atualidade


Uma viagem cultural: esta é uma das melhores definições que podemos dar ao termo Literatura. Adentrando a uma obra literária um ser pode viajar pelas mais diversas épocas e enredar-se nos mais diversos e importantes acontecimentos de nossa história. Hoje em dia, uma pessoa pode saber dados culturais de qualquer lugar no mundo usando como instrumento um livro. E isso lendo obras literárias de qualquer gênero e não precisamente um guia de viagens, como isso se dá? Um escritor atua de forma a informar o leitor, isto é, mesmo meio a uma obra totalmente fictícia vários dados reais sobre os costumes ou folclores do local onde se passa a história são verídicos. Mesmo em um enredo de fantasia (Senhor dos Anéis, por exemplo, o autor tem como objetivo causar reflexões de algum ponto no leitor sobre os acontecimentos da sociedade, No livro o autor cria um mundo onde várias raças se unem para por fim ao mal, querendo realizar uma comparação ao fato da discriminação racial na época ser um fator latente para o atraso do mundo) o autor apresenta dados reais supostos a sua sociedade ou momento vivido.
Assim, concluímos que a Literatura funciona como um instrumento de informação, reflexão ou protesto contra a sociedade em que vivemos. A Literatura está presente em nossa vida no dia a dia mesmo que muitas vezes não percebamos esse fato.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Língua - Quando usar: ONDE/AONDE, EM VEZ DE /AO INVÉS DE, MAL/MAU...

Diariamente enfrentamos certas dúvidas em relação ao uso de certos termos na Língua Portuguesa,tanto na fala como na escrita. Isso é quase geral, ouço todos os dias alguns termos mal ( com 'L', heheheh) empregados, mas alguns erros frequentes (agora sem trema,não esqueça) são fáceis quanto ao uso correto, vejamos:

ONDE/AONDE:

ONDE: utilizamos onde ao referir endereços,localidades, lugares concretos...

Ex.: ONDE estaciono meu carro?
ONDE tu moras?
ONDE pensas que vais a uma hora dessas?
Sei ONDE quero chegar seguindo esse desvio.

AONDE: utilizamos para referir sentido abstrato, imaginário,etc.

Ex.: AONDE estás com a cabeça ?
AONDE tu pretendes chegar com essa atitude...
Meu coração está AONDE tu estás.

OBS.: Assim, na música do grupo Cidade Negra, intitulada "Aonde você mora" há uma oração que diz:

"...aonde você mora..." o uso nessa oração está errado, pois refere endereço ou localidade, portanto o correto seria: ONDE VOCÊ MORA.


EM VEZ DE / AO INVÉS DE :

EM VEZ DE: essa expressão pode ser utilizada em qualquer caso de comparação ou alternativa.

Ex.: Leia um bom livro EM VEZ DE assistir a esse programa ruim na TV.
Viajarei à praia EM VEZ DE ir ao evento no final de semana.

AO INVÉS DE: essa expressão deve ser utilizada somente ao referirmos posição antagônica,ou seja, alternativas exatamente contrárias.

Ex.: AO INVÉS DE dormir cedo fiquei acordado até tarde ontem.
Estudei para prova AO INVÉS DE tentar colar dos colegas ( isso é aconselhável,hehehhe...)
Fiquei em casa ontem AO INVÉS DE sair.

OBS.: notamos que somente em casos de ideias opositivas devemos utilizar ao invés de.

MAL/ MAU:

MAL: devemos utilizar somente quando o contrário for BEM.

Ex.: Sua atitude foi MAL interpretada pelos amigos. ( o contrário seria BEM interpretada).
O político foi MAL intencionado. ( o contrário seria BEM, coisa difícil nos políticos,heheh...)
O MAL é sempre vencido pelo BEM.

MAU: é utilizado quando o contrário referir BOM.

Ex.: O lobo MAU tentou comer a vovózinha. ( lobo BOM).
O desempenho da equipe foi MAU. ( BOM).

OBS.: Assim temos: mal-entendido, mal-educado, mau-olhado, Homem mau, etc.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Literatura - A Divina Comédia: análise e resumo.

Um dos livros mais lidos da história entra na lista dos meus preferidos: A Divina Comédia, de Dante Alighieri. O livro narra a história de Dante, que em certo ponto sua vida,desgostoso com a humanidade recebe a oportunidade de fazer uma visita ao inferno,purgatório e paraíso para que possa realizar uma reflexão de como levar sua vida, assim como passar o pensamento para toda a humanidade após sua viagem. Dante escreveu essa obra a fim de que as pessoas pudessem fazer uma reflexão de como levavam suas vidas terrenas, a esse ponto o autor estava profundamente desgostoso com os homens, pois passou a perceber como eram frívolos os interesses materiais e o ponto a que o homem havia chego. Dante sempre foi um fervoroso patriota,amante de seu país,a Itália.Envolvido na política,logo notou o falso interesse dos políticos pela nação e o gosto que os mesmos tinham pelo poder. Escreveu o livro com o objetivo que seus leitores pudessem dar atenção aos reais motivos em que guiavam suas vidas.
A Divina Comédia é divida em três partes: o inferno,o purgatório e o paraíso, nessa o autor relata uma viagem de profunda espiritualidade. Durante a caminhada muitos conceitos são empregados, o autor encontra seres mitológicos e pessoas reais da história pelos círculos em que percorre: pessoas ditas boas estão no inferno e outras apontadas como más aparecem no paraíso a fim de mostrar que o que realmente vale é o ponto interior de cada um e não sua aparência.
Muitos dizem que Dante ingressou em uma viagem espiritual guiada realmente por algo profundo, pois vários conceitos estão como sinais no livro e muitos nem existiam ainda. O inferno é como um julgamento dos pecados do homem na Terra, de acordo com a gravidade dos pecados cometidos a alma é condenada a um círculo mais profundo onde o castigo é pior, ou seja, os pecados são analisados em relação ao mal que causaram; o número de círculos é sete (9), somados ao número um (1) que seria a vida terrena formam dez (10) aonde um (1) mais zero (0) é igual a um (1) número que demarca Deus,criação,princípio de tudo na numerologia. Dante teve o objetivo de fazer com que as pessoas realmente observassem suas vidas,assim como seus atos, vários pensamentos ou conceitos depois adotados em filosofias ou crenças são encontrados no decorrer da história. A forma do inferno, um cone , forma essa adquirida pela queda de Lúcifer do ceu quando Deus jogou neste um raio fazendo -o cair com tamanha força e velocidade até adentrar o centro da Terra.
Sem dúvida alguma é um livro a ser lido, interpretado e absorvido como tema de reflexão e crescimento cultural, literário e até mesmo espiritual, abaixo segue um pequeno resumo.

A Divina Comédia
( Dante Alighieri )
Numa época imprecisa, talvez entre o final do século XIII e início do XIV, o poeta-filósofo Dante Alighieri, estando no meio de sua vida, seguiu por uma selva escular, uma jornada pelo além, transitando entre Inferno, Purgatório e Paraíso. Tinha como objetivo reencontrar sua amada, Beatriz, falecida quando jovem. Foi guiado pelo Inferno e Purgatório, pelo poeta latino Virgílio, autor de "Eneida", falecido há muito. Ambos cruzaram o portal do Inferno, onde Cérbero, o cão-demônio guardião, permanecia. Seguiram e viram o barqueiro Caronte, a receber as almas com uma moeda na boca. Depararam-se com personalidades da Filosofia, Platão, Aristóteles; da Poesia, Sêneca, Horácio, entre outros grande nomes do Pensamento e da Arte, pagãos em vida. Depararam-se com contemporâneos de Dante, notáveis da Arte, Política e Igreja, pessoas que, em vida, não haviam primado pela ética e práticas cristãs. Passaram por demônios horrendos e regiões temerosas do limbo, até chegarem ao Purgatório. Lá, havia almas que aguardavam o lugar para onde iriam, com a esperança de não ser o Inferno. Por fim, chegaram ao Paraíso. Não era permitido a Virgílio entrar, pois fora pagão; o Inferno era seu lugar. Ao final da jornada, Dante fora recebido pela própria Beatriz, seu amor não-consumado, impossível de acontecer no lugar divino. Beatriz era uma santa. Dante contentou-se em vê-la, falar-lhe, ouvir-lhe pronunciar seu nome, e ser guiado pelas paragens celestiais. passando por São Francisco de Assis, entre outros que viveram pelo próximo. Mas Dante não poderia ficar; seu tempo de vida ainda não findara. Teve que regressar, e, com a alma embevecida, teve a certeza primorosa de que é "(...) o amor que move o Sol, como as estrelas (...)".

domingo, 11 de outubro de 2009

Ainda sobre o ENEM ( pérolas)

Algumas coisas escritas por alunos na redação do enem são preocupantes em relação ao rumo tomado pelo ensino no Brasil.Existem palavras que regem uma ortografia um pouco confusa,heeeh...parágrafos sem qualquer sequência de ideias ,coesão e coerência textuais então, melhor nem comentar. Prefiro achar que uns possuem um bom humor digno de roteiros "hollywoodianos" das mais engraçadas comédias. Aqui vão algumas dessas "pérolas":

"...SÃO FORMADAS PELAS BACIAS ESFEROGRÁFICAS..."
(poxa,achava que a BIC fazia canetas apenas e não estruturava à natureza...)

"...EU CONCORDO EM GÊNERO E NÚMERO IGUAL..."
(poxa,nessa eu discordo,heheheh...)

"...VAMOS DEIXAR DE SERMOS EGOÍSTAS E PENSARMOS UM POUCO MAIS EM NÓS MESMOS."
( deveríamos deixar o egoísmo de lado ...isso de ser egoísta e ficar pensando somente nos outros,aff...)

"...O SERO MANO TEM UMA MISSÃO..."
( tem mesmo,às vezes missão de estudar ,ler,hehehe...ao menos missão está com dois "s").

" ENQUANTO ISSO OS ZOUTROS...TUDO BAIXO NIVE..."
( ah...é como naquela música: os zoutros são os zoutros...tu apercebe algum erro? heheh)

"NÃO PRESERVE APENAS O MEIO AMBIENTE,PRESERVE TODO ELE".
( claro, imagina,realmente é uma preocupação sadia, pois só nos preocupamos com a metade dele,né).

"É UM PROBLEMA DE MUITA GRAVIDEZ..."
( .....estava escrevendo sobre a falta de preservativos no mercado?)

"O QUE É DE INTERESSE COLETIVO NEM SEMPRE INTERESSA A NINGUÉM INDIVIDUALMENTE."
( os filósofos são incompreendidos em nossa sociedade,heheheh...)

"O CORAÇÃO É O ÚNICO ÓRGÃO QUE NÃO DEIXA DE FUNCIONAR 24 HORAS POR DIA"
(...em alguns casos é o cérebro...)

"QUANDO UM ANIMAL IRRACIONAL NÃO TEM ÁGUA PARA BEBER, SÓ SOBREVIVE SE FOR EMPALHADO."
( com certeza essa é uma das melhores)

"A INSÔNIA CONSISTE EM DORMIR AO CONTRÁRIO."
( mais um filósofo contemporâneo).

"A DIFERENÇA ENTRE O ROMANTISMO E O REALISMO É QUE OS ROMÂNTICOS ESCREVEM ROMANCES E OS REALISTAS NOS MOSTRAM A REALIDADE."
(é simples assim).

"ANTES DE SER CRIADA A JUSTIÇA TODO MUNDO ERA INJUSTO"
( hum....e antes de ser criado banheiro ninguém fazia suas necessidades).

"A NATUREZA BRASILEIRA SÓ TEM 500 ANOS E JÁ ESTÁ SE ACABANDO"
(...claro,o Brasil era um deserto antes de ser descoberto eu imagino).

"VAMOS MOSTRAR QUE SOMOS SEMELHANTES IGUAIS UNS AOS OUTROS..."
( em alguns casos melhor ser diferente)

"ISSO TUDO É DEVIDO AOS RAIOS ULTRA-VIOLENTOS QUE RECEBEMOS TODO DIA"
( ele deve viver em uma região por demais chuvosa).

Parece brincadeira,mas devemos de fato nos preocupar com isso, pois se os estudantes que prestam exames para uma universidade escrevem dessa maneira o que dirá do resto da população? heheheh.....está na hora de nossos políticos realmente avistarem os probelmas maiores de nosso Brasil.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Roubo das provas do Enem

Assisti a uma palestra com um dos organizadores do Enem. Nessa ele dissertou sobre o exame e todos os seus aspectos gerais utilizando uma enorme massa de adjetivos da Língua Portuguesa, como se o Enem fosse resolver todos os problemas de educação do Brasil, inclusive falou nas questões de segurança que envolviam a prova...
...pelo que o palestrante deixou claro o acesso era quase montado como um esquema digno de F.B.I, C.I.A., K.G.B.Ora, depois do roubo das provas fico até pensando se o Enem realmente melhora ou não o acesso a uma universidade,pois roubar uma prova da URFGS parece ser mais difícil....e já conhecemos questões envolvendo a organização de certos concursos públicos...toma jeito Brasil.

Postagem mais Recente

Qual das alternativas está errada? por quê?

Postagens mais Visitadas